Se candidato a senador, Iris Rezende ‘puxa’ Ronaldo Caiado para a chapa de Marconi Perillo

Marconi Perillo (governo), Vilmar Rocha (vice) e Ronaldo Caiado (Senado): esta a chapa apontada como forte para derrotar uma chapa peemedebista com Júnior Friboi e Iris Rezende | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

Marconi Perillo (governo), Vilmar Rocha (vice) e Ronaldo Caiado (Senado): esta a chapa apontada como forte para derrotar uma chapa peemedebista com Júnior Friboi e Iris Rezende | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

Na semana passada, o Jornal Opção ouviu de um dos auxiliares mais próximos do governador Marconi Perillo: “Uma composição com Ronaldo Caiado, se não é impossível, é muito difícil”. O motivo? “Nos últimos anos, o deputado federal do DEM tem jogado duramente contra o nosso projeto. Se dependesse dele, estaríamos na chapada.” Detalhe: este auxiliar é ouvido com frequência pelo tucano-chefe.

Entretanto, outro auxiliar de Marconi, quase tão importante quanto o citado acima, apresenta outra visão. “Decisivo mesmo é manter o governo, os dedos. O anel, o Senado, pode ficar para Caiado. Por que não?” E acrescenta: “Uma candidatura de Iris Rezende ao Senado tende a ‘puxar’ Caiado para nossa chapa. Iris, muito forte, exige um contrapeso sólido”.

O marconista, da intelligentsia tucana, diz que Caiado soma duplamente. “Primeiro, em termos eleitorais, porque atrai voto ‘novo’ para Marconi. Trata-se de um voto externo, que não é nosso. O voto interno, porque já é nosso [o auxiliar está citando, indiretamente, o deputado federal Vilmar Rocha e o vice-governador José Eliton], não é relevante para o projeto governista. É possível que Caiado atraia cerca de 150 mil eleitores. Segundo, Caiado acrescenta muito na campanha, se fizer um discurso duro e cortante contra os adversários. Ele bate com firmeza, com rara competência, tanto no PT de Antônio Go­mide-Dilma Rousseff quanto naquilo que Júnior Friboi representa, os frigoríficos que penalizam os produtores.”

O discurso forte de Caiado, na opinião do auxiliar, abriria espaço para Marconi apresentar uma agenda mais ofensiva e propositiva — escapando à agenda defensiva. O tucano, portanto, ficaria menos exposto. “O PP e o PSD têm tempo de televisão, e isto é importante e necessário, mas não é suficiente. É preciso agregar novos votos.”

O auxiliar anterior contrapõe: “Mas, se nos aliarmos a Caiado, o que vamos dizer ao eleitorado? O que o próprio deputado vai dizer? A situação é complicada tanto para o tucano quanto para o democrata.”

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Douralino Araujo

EU, não vejo como o outro auxiliar ver. Ele poderia muito bem anchergar o que o Caiado criticou o melhor governo de Goiás em todos tempos. É impossivel este auxiliar não ter desernimento dos fatos, posso assim classifica-lo como um enorme analfabeto politico. Trocar o certo, o fiel e o amigo, pelo o duvidoso que encontra só na chapada!… É BRINCADEIRA.