Prem Baba, guru espiritual, é acusado de abusar de duas mulheres casadas

O guru das estrelas e de políticos admite que manteve relações sexuais com as mulheres, mas sua assessoria nega que tenha ocorrido “abuso”

A colunista Mônica Bergamo, da “Folha de S. Paulo” (quinta-feira, 30), publicou uma reportagem, “Discípulos acusam guru espiritual Prem Baba de abusar de mulheres”, que está repercutindo em todo o país. Porque Sri Prem Baba (cujo nome civil é Janderson Fernandes), de 52 anos, é conhecido como o “guru das estrelas”, como Bruna Lombardi e Reynaldo Gianecchini, de vários políticos. Recentemente, conheceu entrevista à revista “Veja”. Sair nas “Páginas Amarelas” é um símbolo de aceitação social.

Numa reunião ocorrida no domingo, 26 — uma espécie de DR coletiva —, com o mestre hinduísta, dois ex-maridos decidiram revelar que, apesar de se dizer casto, Prem Baba manteve relações com duas mulheres casadas. O guru não nega, mas sua assessoria diz que não se trata de “abuso sexual”.

No primeiro caso, um casal procurou Sri Prem Baba com o objetivo de receber conselhos para ajustar o casamento, que passava por uma fase complicada. O guru chamou a mulher para conversar, sem a presença do marido, e sugeriu exercícios tântricos. Daí “evoluíram para relações sexuais”, segundo a “Folha”. O relacionamento durou dois anos. A mulher conta que esperava que, devido ao “tratamento” — “tinha plena confiança no mestre” —, conseguiria retomar a vida com o marido, o que não aconteceu. Eles se separaram. Somente agora ela decidiu contar ao agora ex-marido o que aconteceu. Ele era tão “devoto” do Guru que “chegava a beijar” seus pés publicamente.

O segundo caso “não progrediu”. O guru — que tem uma filha de 15 anos — admite que manteve relações sexuais com as duas mulheres. “Mas é indevido usar a palavra abuso”, afirma Fábio Toreta, responsável pelo relacionamento institucional dirigido pelo guru.

Prem Baba sugere que, embora tenha tentado, não conseguiu controlar sua sexualidade. “A relação amorosa que eu tive e uma outra experiência anterior deixaram mágoas profundas e a dor emocional disso tudo acabou se tornando público entre o sangha (comunidade)”, contou num vídeo. Ele disse que passará por uma fase de recolhimento. “Meu coração está devastado.”

O recado da realidade

O que as pessoas — inclusive os místicos, os espiritualistas — por vezes esquecem é que o fato de se tornar guru, ainda que altamente espiritualizado, não significa que se deixa de ter desejos. O homem, mesmo sendo um guru, continua homem. Relações consensuais não devem ser condenadas, mas usar o domínio sobre outra pessoa, enganando-a, é condenável. Há quem desconsidere o fator ingenuidade — a mulher manteve relações com o guru por dois anos —, mas é preciso levar em consideração que algumas pessoas se deixam dominar completamente por líderes espirituais (ou não).

2
Deixe um comentário

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Luciano Almeida

Um “guru” que não tem escrúpulos de manter relações sexuais com discípulas vulneráveis é qualquer coisa entre oportunista e aproveitador.

Paulo Guilherme Tanus Galvão

Esse malandro chamado Prem Baba (ca), lembra um outro malandro, vagabundo chamado Bagwan Rajeeneshe que atuou nos anos 80. são perigosos, dissimulados sempre em busca de otários que os sustentem.