Políticos temem que má gestão de Iris Rezende possa derrotar candidato do PMDB a governador em 2018

Há quem aposte que o decano peemedebista prefere eleger Iris Araújo para deputada federal a eleger o próximo governador de Goiás

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende, com sua gestão ineficaz, pode contribuir para uma possível derrota tanto de Daniel Vilela quanto de Maguito Vilela para o governo de Goiás em 2018

A maioria dos peemedebistas prefere não avaliar a gestão do prefeito de Goiânia, Iris Rezende, publicamente. Até para não desgastá-la ainda mais. Porém, nas conversas em off, vereadores e deputados admitem que há uma desmotivação generalizada no Paço Municipal. Chegam a sugerir que o decano peemedebista está presente, mas parece ausente, quase sempre falando do passado, mas raramente sobre o presente. Iris é um gestor eficiente, sabe economizar para investir (há informações de que estaria tentando fazer um caixa mensal de 40 milhões de reais para, no segundo semestre, começar investimentos mais amplos), mas não está percebendo que a sociedade, cada vez mais atenta, cobra mais dos gestores públicos. Se sua imagem ficar desgastada um ano, corroída de maneira ampla na imprensa e nas redes sociais, será muito difícil, senão impossível, restabelecê-la. “De fato”, afirma um peemedebista, “Iris não percebe que os tempos mudaram e que a sociedade não concede mais prazos extensos aos homens públicos. Quer tudo para ontem”. Seu aliado sugere que, no lugar de pensar nos quatro anos de mandato, o prefeito precisa pensar, com certa urgência, no dia a dia da cidade, de seus moradores.

A principal preocupação dos peemedebistas, mais do que com a cidade, é outra. Eles, ao menos nos bastidores, sugerem que a gestão fragilizada de Iris Rezende, que não responde às necessidades básicas dos goianienses e, ao mesmo tempo, não é criativa — não há um projeto que empolgue e mobilize os moradores da capital —, está “prejudicando” a imagem do PMDB em todo o Estado, notadamente na cidade, Goiânia, que reverbera nas demais cidades.

Pesquisas começam a registrar, ainda de leve — Iris está no poder há apenas três meses, mas, frise, as eleições de 2017 serão realizadas daqui a um ano e seis meses —, que a gestão irista em Goiânia começa a arranhar a imagem dos pré-candidatos do PMDB a governador de Goiás, Maguito Vilela e Daniel Vilela. Para piorar a situação, o governo de Marconi Perillo consolida a ideia, de maneira paulatina e segura, de que praticamente impediu que a crise econômica nacional atingisse o Estado de maneira mais virulenta. Mais: mesmo na crise, o governo está investindo e colaborando para recuperar os municípios.

Portanto, se a gestão de Iris Rezende continuar no atual ritmo de maria-fumaça e a gestão de Marconi Perillo cristalizar a imagem de realizadora — sobretudo de atuar em parceria com os prefeitos, e de maneira republicana, na recuperação dos municípios —, em ritmo de trem-bala, os eleitores poderão reavaliar: por que trocar o que vai bem, ou relativamente bem, por aquilo que vai mal ou é duvidoso?

Outro problema-chave é que, segundo os peemedebistas, Iris Rezende não ouve. “Ele acha que sabe tudo”, frisa um vereador. “Fica-se com a impressão de que prefere eleger Iris Araújo para deputada federal a eleger o próximo governador de Goiás”, acrescenta um deputado.

Uma resposta para “Políticos temem que má gestão de Iris Rezende possa derrotar candidato do PMDB a governador em 2018”

  1. Avatar Euripedes Silveira disse:

    O PMDB de Goiás é um exemplo de atraso. O prefeito de Goiânia iniciou a administração com uma “novidade”: a nomeação de secretários/réus em processos criminais. Agora as candidaturas do “novo” PMDB repetem o velho vício da “panelinha”: um ex-governador, ou o seu filho! Onde já se viu. É o fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.