Júnior Friboi garantiu a Michel Temer que, convocadas eleições, vai disputar a presidência do PMDB goiano. Ele conta com o apoio de vários líderes — como os prefeitos de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, de Jataí, Humberto Machado, de Porangatu, Eronildo Valadares, de Guapó, Luiz Juvêncio, dos dois deputados federais do partido, Daniel Vilela e Pedro Chaves, do deputado estadual Paulo Cezar Martins, do ex-deputado federal Marcelo Melo, do médico Paulo do Vale, entre muitos outros. Mas o que se teme é que, conquistado o apoio, Friboi abandone todos na chapada e vá cuidar de seus negócios (o Frigorífico Mataboi).

No caso de disputa limpa, sem jogo sujo, Friboi derrota, até com facilidade, o candidato de Iris Rezende.

Friboi tem condições de derrotar o próprio Iris. Porém, este vai fazer o possível para conseguir o expurgo do empresário. Porque, se não consegui-lo, será uma derrota. Se Friboi for eleito presidente do PMDB, atropelando-o, não restará a Iris sair do partido, talvez filiando-se ao PRP de Jorcelino Braga ou assumindo o controle do PTN (que, doente, Francisco Gedda teve de abandonar).

Mas Iris não está morto e sabe jogar pesado. E está jogando, sem parar um minuto, contra Friboi.