Juruna, Antônio Gomide e Carlos Freitas: PMDB e PT podem se unir para emplacar um deles na Celg

[Carlos Freitas: o advogado conhece a Celg]

O presidente da Celg indicado pela Eletrobrás, Leonardo Lins, pode sair por dois motivos. Primeiro, problemas familiares e desejo de voltar para Recife. Segundo, dadas as condições inadequadas de trabalho (falta de investimentos necessários na requalificação e ampliação da rede de distribuição). Não está certo que vai deixar a Celg, pois é considerado um técnico eficiente tanto pela Eletrobrás quanto pelo governo de Goiás — os sócios na companhia de eletricidade de Goiás. Porém, se sair, o PMDB e o PT vão se unir para tentar indicar o próximo presidente.

[Sebastião Ferreira Leite: advogado ligado ao PT de Delúbio Soares e Lula]

Se depender do deputado federal Rubens Otoni, o indicado pode ser seu irmão, o ex-prefeito de Anápolis Antônio Gomide. Este pode não entender do ramo de energia, mas tem experiência com gestão pública, que é, no momento, ao lado de recursos financeiros, o que a Celg está precisando.

A tendência Articulação prefere outro nome, o do advogado Sebastião Ferreira Leite, o Juruna, que é amigo e aliado tanto de Delúbio Soares quanto do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia. Juruna já advogou para o ex-presidente Lula da Silva e garante que são amigos.

[Antônio Gomide: é o que mais tem experiência como gestor]

O procurador-geral da Prefeitura de Goiânia, o advogado Carlos Freitas, tem sido apontado como líder da lista dos indicáveis. Ele é funcionário efetivo da Celg e, embora não seja engenheiro, conhece os meandros técnicos e os negócios. Não é petista de carteirinha, mas é bem visto pelo PT.

O PMDB não tem colocado nomes para o debate. Mas há quem aposte que cinco nomes são bem vistos: Marcelo Melo, ex-deputado federal (ligado ao vice-presidente Michel Temer), Samuel Belchior, Lívio Luciano, Romilton Morais, ex-deputados estaduais, e Mauro Miranda, ex-senador.

Do lado do PSDB, prefere-se a permanência de Leonardo Lins, considerando que sua gestão tem sido técnica, e não política.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.