Grupo dos 21 quer fortalecer atuação da Câmara de Goiânia

Bloco de vereadores articula candidatura autônoma a presidente da Câmara de Goiânia para restaurar o papel do Legislativo no acompanhamento dos atos da prefeitura

Um grupo de vereadores filiados a diversos partidos articula a apresentação de candidato à Presidência da Câmara de Goiânia com o objetivo de restaurar a autonomia do Poder Legislativo, considerada perdida com a ascensão de Andrey Azeredo (MDB), aliado de primeiríssima hora do Paço Municipal. Os vereadores chegam a chamá-lo de “secretário de Iris”. A proposta não é fazer oposição ao prefeito Iris Rezende ou atrapalhar a gestão municipal: o chamado Grupo dos 21 quer atuar com independência para acompanhar com eficiência atos da prefeitura e aprovar leis relevantes para a capital (saiba quem são os vereadores na lista abaixo).

A meta é reforçar as atribuições e a missão do Legislativo, que, afirmam os vereadores do bloco, se enfraqueceu na gestão de Andrey Azeredo (MDB), considerado subserviente ao prefeito da capital. O custo da subserviência de Andrey a Iris e à primeira-dama Iris Araújo (MDB) é a própria reeleição, que o presidente tentou, sem sucesso, garantir.

O alinhamento com o Paço compromete outras candidaturas que poderiam ter o apoio de Iris, como é o caso de Tiãozinho Porto (Pros), que era tido como o Plano B à candidatura de Andrey. Como líder do prefeito, Tiãozinho é criticado pelo seu excessivo governismo na condução dos projetos de interesse do Paço na Câmara, causando atritos e desgastes entre os vereadores.

Andrey Azeredo é visto pelos vereadores como “secretário” de Iris Rezende| Foto: Fernando Leite

Andrey e Tiãozinho eram apostas dos vereadores para o fortalecimento da Câmara de Goiânia porque pertencem à nova safra de eleitos. Os novos vereadores eleitos em 2016, além de outros veteranos que defendem a autonomia do Legislativo da capital, pregam a transparência total dos atos da mesa e o estrito respeito ao Regimento Interno da Casa.

Em função do alinhamento automático com o Paço, Andrey e Tiãozinho estão com suas postulações para a presidência da Câmara bastante comprometidas, afirmam vereadores do Grupo dos 21 e até mesmo interlocutores próximos do presidente e do líder do prefeito. Para a quase integralidade dos vereadores, o novo presidente da Câmara será aquele (a) que consiga mostrar independência com responsabilidade, não se alinhando a nenhum grupo político, mas sim ao compromisso de construir um Legislativo mais forte, sem fazer oposição ao prefeito.

A resistência aos candidatos do Paço Municipal cresceu nesta semana com os sinais dados por Iris de que vai usar a reforma que pretende fazer em seu secretariado como moeda de troca nas articulações para tentar fortalecer Andrey. Com a antecipação da eleição da nova mesa diretora para 4 de dezembro, o prefeito de Goiânia disse que só fará a reforma depois da escolha da nova presidência.

A decisão do Paço de demitir servidores comissionados ligados aos vereadores tornou ainda mais frágil, nos últimos dias, qualquer candidatura com o apoio do prefeito Iris Rezende. O passo seguinte planejado pelo emedebista é chamar cada vereador para negociar as renomeações e pressionar pelo apoio a Andrey, como Plano A, ou Tiãozinho do Porto, como Plano B.

Quem são os 21 vereadores do Grupo Nova Câmara

Os parlamentares que defendem um Legislativo autônomo e transparente

Alysson Lima (PRP)

Anderson Sales Bokão (DC)

Anselmo Pereira (PSDB)

Cabo Senna (PRP)

Clécio Alves (MDB)

Doutora Cristina (PSDB)

Elias Vaz (PSB)

Emilson Pereira (PODEMOS)

Felisberto Tavares (PR)

Romário Policarpo (PROS)

Gustavo Cruvinel (PV)

Jair Diamantino (DC)

Leia Klebia (PSC)

Lucas Kitão (PSL)

Paulo Magalhães (PSD)

Rogério Cruz (PRB)

Sabrina Garcez (PTB)

Tatiana Lemos (PDT)

Vinicius Cerqueira (PROS)

Welington Peixoto (MDB)

Zander (Patriota)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.