Sabe-se que, se o presidente desistir da reeleição, a maioria de seus aliados vai apoiar Flávio Buonaduce

A candidatura Enil Henrique à reeleição vem sendo desidratada. Perdeu o apoio do vice-presidente Antônio Carlos Monteiro [na foto acima aparece ao lado de Enil Henrique], ficou isolado no Baile do Rubi, sofre questionamentos pelo uso da máquina em proveito próprio, não tem o respaldo dos quadros expressivos da OAB Forte, críticas fortes de Lúcio Flávio e vem perdendo seguidos e importantes apoiadores.

Até o leal Márcio Messias não tem o mesmo entusiasmo com Enil Henrique. Motivo: a falta de ânimo e articulação do presidente da Ordem. “Sem a máquina da OAB, Enil não teria a mínima condição de ser candidato”, admite um de seus principais aliados.

Comenta-se até que o lançamento da candidatura no próximo dia 10 será adiado por falta de condições concretas para o ato. Já se fala também em desistência do projeto de reeleição e que Enil Henrique ficaria neutro, dado a quantidade de desgastes que sofreu. Mas a maioria de seus aliados deve apoiar Flávio Buonaduce, antes a informação de que, se eleito, Lúcio Flávio vai comandar uma devassa na gestão de Enil Henrique.