A campanha para prefeito de Rio Verde em 2016 deverá ser uma das mais profissionais da história do município.

Por enquanto, o favorito é Heuler Cruvinel, do PSD, mas Paulo do Vale, do PMDB, é um postulante consistente. Assim, vai ganhar aquele que, na campanha, demonstrar mais profissionalismo e convencer os eleitores de que é possível retirar Rio Verde do atual marasmo.

A modorra não é da economia, que permanece pujante, e sim da prefeitura sob o comando de Juraci Martins. Político decente, o líder do PSD fez uma gestão acima da média, entre 2009 e 2012. Porém, no segundo mandato, o prefeito comporta-se como político aposentado, absenteísta.

Por ser jovem e mais arrojado, é possível que Heuler Cruvinel seja visto como um elemento da renovação, e não como continuidade de Juraci Martins.

Porém, se fizer um marketing bem feito, Paulo do Vale poderá descontruir o discurso do candidato do PSD, apresentando-o como continuidade do arcaico.

Mas os eleitores estão atentos mesmo é ao discurso de Paulo do Vale. Eles vão verificar se será inovador em relação ao prefeito, primeiro, e, segundo, em comparação com Heuler Cruvinel.

Se o peemedebista fizer apenas críticas, sem apresentar um projeto alternativo e inovador, o eleitorado tende a considerá-lo como mais um integrante da velha política de Rio Verde.

Ressalva: Karlos Cabral é quase sempre apresentado como possível vice de Paulo do Vale. Entretanto, como Rio Verde pode querer renovar de maneira ampla, o petista pode se apresentar (e ser visto) como o fato novo.