Há duas teses básicas sobre o assassinato do ex-prefeito de Itumbiara José Gomes da Rocha e do cabo Vanilson Pereira, da Polícia Militar, ocorridas há quase um mês.

Primeira: num surto psicótico, depois de ouvir alguns amigos falando que José Gomes não deveria ser eleito, Gilberto Ferreira do Amaral teria decidido matá-lo por conta própria. Nesta versão, ninguém teria mandado Béba matar o político. Se houve incentivo, teria sido indireto, o que não equivale a dizer que houve um mandante.

Segunda: outra corrente da polícia avalia que já há informações suficientes para considerar que o crime, notadamente o assassinato de José Gomes, mas não o do cabo, foi premeditado e que alguém, não se sabe quem exatamente, teria orientado Gilberto do Amaral a matar o político.

Uma fonte afirma que a polícia não quer revelar detalhes parciais da investigação. Porque, se o fizer, resultará em nada. Por isso, vai deixar para revelar tudo, à sociedade, quando tiver “fechado” o quadro. A polícia quer uma apuração rigorosa, puramente técnica, sem sensacionalismo e estardalhaço.