A eleição para prefeito de Ceres, no Norte de Goiás, deverá ser uma das mais disputadas de 2024. Aliás, como ocorreu em 2020.

O prefeito Edmário de Castro Barbosa (deve se filiar ao MDB), de 64 anos, foi eleito com 51,19% (6.347 votos) — derrotando Rafaell Dias Melo (pP), de 50 anos, que ficou com 48,81% (9.051 votos). A diferença entre os dois foi de apenas 296 votos. Ou seja, uma vitória, como se diz no Norte goiano, por um beicinho de pulga.

A gestão de Edmário de Castro Barbosa, se não é muito criativa e moderna — de acordo com um líder local —, também não é considerada ruim. “A administração de Edmário é do tipo arroz com feijão, mas pelo menos não compromete o Erário”, afirma.

Rafaell Melo, ex-prefeito de Ceres | Foto: Reprodução

Como todo prefeito tem desgaste, a tendência é que o jogo se torne ainda mais equilibrado do que a disputa de 2020. “Rafaell Melo está articulando mais e pode derrotar Edmário”, ressalta um veterano político da cidade.

A incógnita é saber se Edmário Barbosa vai manter seu vice, Dino Ayres, do União Brasil. Os dois estão praticamente rompidos, porque o prefeito ignora aquele que o ajudou a vencer o quase invencível Rafaell Melo.

Há um nome da terceira via, o presidente da OAB em Ceres: Luciano do Vale. Com um terceiro candidato na parada, há quem postule que as coisas ficarão mais fáceis para aquele que tem o controle da máquina pública — Edmário Barbosa. (E.F.B.)