De um político de Itumbiara: “A polícia certamente vai descobrir uma bomba na história do assassinato do ex-prefeito Zé Gomes da Rocha e do cabo Vanilson Pereira. O assassino teria conversado por telefone, várias vezes, com um político da cidade. Conversas pouco católicas, provavelmente”.

O líder itumbiarense frisa que “a investigação do crime, às vezes tratado como resultado de uma questiúncula pessoal entre Zé Gomes e Gilberto Ferreira do Amaral, o Béba, pode levar à questão política”.

“O problema nem sempre é o alto clero. Mas as conversas entre pessoas do baixo clero das campanhas. É provável que alguém tenha potencializado, de maneira inteligente e discreta, um possível ressentimento de Gilberto do Amaral contra Zé Gomes”, afirma o político.

O político avalia que o deputado Álvaro Guimarães, candidato a prefeito pelo PR, não está envolvido no crime. “Mas é possível que alguém do baixo clero, do seu entorno, possa ter incentivado Gilberto a matar o ex-prefeito, ou talvez tenha apenas sugerido. Digo ‘possível’, pois não há provas de nada, até agora.”