Alunos das faculdades de Direito da UFG e da PUC brigam por uma cadeira. A guerra está declarada

Uma cadeira está provocando discórdia entre alunos das faculdades de Direito da Universidade Federal de Goiás e da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Segundo estudantes de Direito da PUC, um grupo de estudantes de Direito da UFG “expropriou” — o termo utilizado por eles é um pouco mais pesado e, portanto, impublicável — uma cadeira que estava no Centro Acadêmico de Direito da PUC. A cadeira, supostamente do tempo do Império, teria sido disputada, na década de 1950 — segundo estudantes da PUC —, entre estudantes da UFG e da Universidade Católica de Goiás (não era PUC, na época), num júri simulado.

O júri teria sido vencido pelos estudantes de Direito da UCG e, por isso, eles ficaram com a cadeira. Agora, avaliando que a Faculdade de Direito da UFG — ou o Centro Acadêmico — é a proprietária da cadeira, um grupo de estudantes decidiu levá-la, gerando uma crise entre estudantes, professores e, possivelmente, até entre reitores das duas universidades. Segundo estudantes da PUC, o caso deve ser levado, se a cadeira não for devolvida, à polícia e à Justiça. Estudantes da UFG avaliam que apenas “pegaram” aquilo que era da Faculdade de Direito da UFG.

Estudantes da PUC frisam que a cadeira chegou a ser reformada pelo CA da Faculdade de Direito da PUC.

A cadeira está provocando festa na Faculdade de Direito da UFG. Alunos e professores postaram fotografias nas redes sociais ao lado e até sentados na cadeira.

 

 

 

 

21 respostas para “Alunos das faculdades de Direito da UFG e da PUC brigam por uma cadeira. A guerra está declarada”

  1. Túlio Veiga disse:

    Puc, engole o choro, a cadeira é patrimônio público, o resto é ladainha, os próprios alunos da puc levantavam a bandeira que esse era um troféu, e que foi roubado da UFG, Então parem de passar vergonha.

  2. Rodney Soares disse:

    A história verídica é a de que estudantes da UCG (não era PUC na época) apropriaram-se indevidamente da cadeira, a qual é patrimônio da UFG e, consequentemente, da União. Alunos da Federal, munidos de provas de que a cadeira pertence à Universidade, retomaram-na do CACB e levaram-na de volta para o lugar de onde nunca deveria ter saído, o Salão Nobre da UFG. Agora, os estudantes da Pontifícia estão alegando usucapião do bem. Mas acredito que devem ter faltado às aulas de Direito Civil, mais especificamente, de Direito das Coisas. Afinal, como nos ensina o artigo 102 do atual Código Civil: “Os bens públicos não estão sujeitos a usucapião”. Trata-se de um corolário e é o mínimo que um estudante de Direito deve saber. E isso nos leva a um questionamento: por que marmanjos com seus 20 e poucos anos, ao invés de perderem seus preciosos tempos com uma cadeira que jamais foi, e nunca será deles, não estudam um pouco de Direito Civil e deixem de passar vergonha? Lamentável que indivíduos se exponham ao ridículo desta maneira, desonrando os esforços e os sacrifícios de seus pais para lhes proporcionarem um estudo digno.

  3. FERNANDA disse:

    É VERGONHOSO ver futuros bacharéis de Direito, que se acham e se sentem superiores ao entrarem na PUC, na calada da noite, de forma covarde, quando não tinha quase ninguém, para se apropriarem de um objeto que já foi acordado a posse. Não é pela cadeira, é pela ousadia de não procurar a via judicial pra resolver um problema, se de fato quisessem resolver o conflito, o teriam feito da forma correta, ou seriam no mínimo menos covardes, colocariam a cara pra bater, mostrariam o rosto e não se indisporiam de um debate a respeito. Grande parte dos alunos da UFG – DIREITO, faltaram a aula de HUMILDADE, de RESPEITO e mais que isso, faltaram a aula de como resolver um litígio. É válido lembrar que sempre que atribuída a utilização exclusiva (POSSE) ao PARTICULAR, de determinado bem PÚBLICO, é POSSÍVEL a AÇÃO POSSESSÓRIA para IMPEDIR investidas IRREGULARIDADES contra essa posse, ainda que por parte da própria entidade pública titular do referido bem. Portanto, não fomos só nós que faltamos a aula de Direito Civil, né? Vocês também, aproveitem e frequentem também a de Direito Administrativo.

  4. Natalle B. Favoretto disse:

    Os alunos da UFG mesmo sabendo que a cadeira era um bem público colocaram-na em disputa, daí depois de anos lembram desse detalhe e simplesmente pegam de volta alegando que é direito deles?!
    Não sabia que o Mário Bittencourt dava aula na UFG.

  5. Heloisa Cristina Silva disse:

    Nao eh atoa que ate a Uni Anhanguera ehelhor conceituada em direito que a UFG. Que vergonha mesmo, futuros bacharel em direito, entrar ma calada da noite na PUC para pegar uma cadeira . Mostrassem a competencia adquirida na graduacao ganhando a posse ma justica e dentro da Lei.

  6. Artur disse:

    Simplesmente VERGONHOSO duas academias conceituadas brincando de maternal.

  7. Pedro disse:

    Como a cadeira é um bem público, e os bens públicos não podem sofrer usucapião, a cadeira continua a pertencer ao Direito da UFG.
    A cadeira que pertence à UFG fora furtada e havia sido receptada pelo CA da PUC. Assim, estava configurada situação de flagrante delito, pois a receptação é crime permanente. O aluno da UFG não praticou crime algum, apenas recuperou um bem público que estava em flagrante delito de receptação. Não há crime por parte daquele que restituiu a cadeira ao seu devido lugar.

    • Loco disse:

      Dr., receptação não é crime permanente! O que realmente ocorreu foi um furto, quando menos, o 345 do CP, por sinal, uma atitude vergonhosa, vamos estudar mais! Afinal, vc deve ser UFG.

    • Alguém disse:

      Engracado, fala bonito, acha que é o tal por ser da UFG, que é claramente conceituada, assim como a PUC, deviam primeiramente resolver de forma legal a questão, e em segundo invadir propriedade particular na calada da noite não configura crime!? Destruir patrimônio privado também não configura crime? Ah é me esqueci, aqui tudo é liberado ne!? Agiram como bandidos, vê se acorda. Os alunos estão errados sim, deveriam ter tomado medidas cabiveis e não agir como bandidos e inconsequentes, merecem punição através da justiça. Quem deveria ter tomado atitude são as instituições ou os próprios alunos através dos meios legais.

    • PUC Goias disse:

      Mesmo que a cadeira fosse, da UFG, o que não é ja que a mesma fora trunfo da disputa do juri simulado, a simples entrada a noite e invasão da sede, configura crime seu animal! FURTO qualificado por obstrução de entrada. Ve se arruma professor na UFG pra te dar aula seu otário!

  8. Vilmar Rodrigues disse:

    Faca na cadeira

    • Raphael Santos disse:

      Gente…Pelo amor de Deus… Essa historia já deu pano pra manga. Se houve o simulado pela custodia no passado, e os alunos da Federal perderam…Paciencia…Legalmente e MORALMENTE falando, isso é roubo. Sendo simulado ou não, no ambiente Juridico, houve disputa justa e concordancia entre as partes…Devolvam a cadeira, bola pra frente e proximo caso…

  9. HI KITTY disse:

    Coloca essa cadeira em um museu ou no fórum da cidade, fim de papo.

  10. joas rodrigues disse:

    É foda mesmo, esses manos da UFG não conseguiram ganhar a cadeira em uma disputa justa, ai então decidiram rouba-lá

  11. Micael disse:

    Eu sei que fez essa proeza, é amigo meu kkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.