Os vitorhuguistas postulam que o deputado federal tem o apoio de Bolsonaro, de Vanderlan Cardoso e já tem candidato a senador, Wilder Morais

Aliados do deputado federal Major Vitor Hugo apostam que, entre junho e julho, o pré-candidato do PL a governador tende a aparecer na frente do pré-candidato do Patriota, Gustavo Mendanha.

As teses dos vitorhuguistas são expostas a seguir.

Jair Bolsonaro e Major Vitor Hugo: um apoio de peso real | Foto: Divulgação
1

Há a crença de que, quando conhecer de fato Mendanha, parte de seus eleitores pode abandoná-lo. Porque falta consistência e, mesmo, carisma ao ex-prefeito de Aparecida de Goiás. De acordo como os vitorhuguistas, o postulante do Patriota é um “político vazio, sem conteúdo”. Chega a ser, sublinham, “modorrento”.

Major Vitor Hugo, segundo os aliados, “tem” conteúdo político e administrativo.

2

Se Mendanha não tem apoio substantivo (entre seus apoiadores há um ex-prefeito de Niquelândia acusado de pedofilia e um outro ex-prefeito, Nenzão, que chegou a ser preso duas vezes), Major Vitor Hugo conta com o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro. Na visão dos aliados, isto fará a diferença durante a campanha.

O senador Vanderlan Cardoso, do PSD, também apoia a candidatura do deputado federal.

Na verdade, Mendanha conta com o apoio de dois deputados federais, Magda Mofatto e Professor Alcides Ribeiro. Porém, como pertencem ao PL, não podem, em tese, apoiar o ex-prefeito oficialmente, nem transferir recursos do partido para sua campanha.

Gustavo Mendanha: falta “ânimo” ao pré-candidato | Foto: Divulgação
3

Os vitorhuguistas frisam que a chapa de Mendanha até agora não conta nem com candidato a senador nem a vice. A chapa de Major Vitor Hugo já tem pré-candidato a senador. Trata-se do ex-senador e empresário Wilder Morais, do PL.

4

Os adeptos de Major Vitor Hugo frisam que o pré-candidato é mais ativo, articulado e posicionado do que Mendanha. Eles dizem que não se sabe o que pensa Mendanha sobre os grandes temas de Goiás e do país. Sua fala, de acordo com os críticos, é tida como “vaga” e “superficial”.