Visões da poesia de Yeats (2)

Visões da poesia de Yeats (2)

Nesta segunda crônica sobre W. B. Yeats, obedeço à conclamação que o poeta faz em “O balão da Mente”: “Mãos, façam o que vos é pedido:/Tragam o balão da mente/Que intumesce e se arrasta ao vento/Para o seu estreito alpendre”

Cenas das cidades dos cadáveres

Cenas das cidades dos cadáveres

Poemas impressionantes de Anna Świrszczyńska (1909–1984), no livro “Eu Construía a Barricada”, falam da revolta contra o exército nazista alemão, no final da Segunda Guerra Mundial, que culminou na morte de 200 mil civis

João Filho: o talento, a coragem  e a transcendência do mundo

João Filho: o talento, a coragem e a transcendência do mundo

– O que dizer do poeta João (Fernandez) Filho e deste seu “Auto da romaria”?
Bem, tenhamos como pressuposto: João Filho é poeta que deve marcar seu nome na história da poesia brasileira do século XXI. Seu lugar não está reservado apenas entre os poetas católicos, mas, com certeza entre os grandes da poesia de nossa época. E o que me leva a fazer tal aposta?

Nove poemas e uma canção

Nove poemas e uma canção

“Eu sou o poeta mundano/ Aquele que não é/ Arte pela arte./ Sou, sim, parte sobre parte/Plano sob plano.” Com esses versos do “Prefácio”, Alex Sugamosto estampa a força de sua dicção poética e sua proposta artística