Venda da Celg pode ajudar na recuperação da Eletrobrás, diz presidente da empresa

Wilson Ferreira listou privatização da companhia como uma das medidas capazes de reduzir dívidas e permitir retomada do crescimento 

| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Medidas tomadas em 2017 poderão gerar lucros da ordem de R$ 913 milhões, afirmou o presidente | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, afirmou que a previsão é que o problema de endividamento da empresa seja resolvido até 2018. Segundo ele, várias ações serão tomadas em 2017 para tentar reduzir as despesas em cerca de R$ 1,7 bilhão. Entre elas, está a privatização da Celg Distribuição (Celg D), que, espera, resultará em lucros de R$ 913 milhões.

Com leilão previsto para dia 31 de novembro, o preço mínimo de venda da Celg é de R$ 1,7 bilhão. As medidas tomadas pela Eletrobras foram reunidas no Plano Diretor de Negócios e Gestão das Empresas Eletrobras (PDNG) para o período 2017/2021, baseado no Plano Estratégico 2015/203.

Além da venda da Celg, que faz parte do programa de desinvestimentos, a empresa promoverá redução nos custos administrativos e adotará dois planos de demissão coletiva: O Plano de Aposentadoria Incentivada (PAI) e o Plano de Incentivo ao Desligamento (PID-A). A expectativa de economia com os dois últimos é de R$ 1,536 bilhões.

Os cargos de gerenciamento também sofrerão redução. A partir das mudanças, o número de coordenadores gerais e assessores cairá de 56 para 22; 101 divisões serão extintas. Segundo o presidente, a economia com a eliminação das gratificações será de R$ 68 milhões por ano. (Com informações da Agência Brasil).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.