Candidato do PSB não conseguiu repetir desempenho eleitoral de quatro anos atrás, quando encerrou o pleito com 16,62% dos votos válidos. Neste ano, governadoriável obteve apenas 14,98% de resultado nas urnas

Frederico Vitor

O candidato ao governo derrotado no primeiro turno nas eleições deste ano, Vanderlan Cardoso (PSB), não conseguiu repetir o desempenho eleitoral de 2010, quando conquistou pouco mais de meio milhão de votos. No pleito ocorrido no último domingo, o empresário e ex-prefeito de Senador Canedo obteve apenas 14,89% dos votos válidos   — totalizando 474.090 votos. No processo eleitoral de 2010, quando era apoiado pela máquina estatal do ex-governador Alcides Rodrigues (à época PP, hoje PSB), conseguiu conquistar 16,62% dos votos válidos, contabilizando 502.462 votos.

Ao término das eleições de 2010, Vanderlan trocou o PR pelo PMDB. Alertado por seus apoiadores próximos de que seu projeto político ao governo do Estado correria riscos de não vingar por causa dos claros sinais de que Iris Rezende mais uma vez pretendia se candidatar — o que mais adiante terminou se confirmando —, o empresário se viu forçado a deixar a sigla peemedebista. Por um breve período, Vanderlan não esteve filiada a nenhuma legenda — apesar de que detinha o comando do PSC goiano.

Com a ida do megaempresário Júnior Friboi do PSB para o PMDB de Iris, Vanderlan se filiou ao partido do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos — morto em um acidente aéreo em Santos, durante campanha à Presidência da República. Na liderança do PSB goiano, Vanderlan formou uma aliança com o PSC e com o PRP — presidido pelo publicitário e ex-secretário estadual da Fazenda no governo Alcides, Jorcelino Braga —, para mais uma vez tentar o governo estadual.

Após a nova derrota, Vanderlan ainda não decidiu se vai apoiar no segundo turno o atual governador e candidato a reeleição, Marconi Perillo (PSDB), ou se vai declarar apoio a Iris. Até a tarde desta terça-feira, ele declarou à imprensa de que a decisão caberá à maioria de seu partido e de aliados.