Usina fotovoltaica começa a ser instalada no Nordeste goiano

De acordo com o Governo, a Secretaria de Meio Ambiente fará levantamentos sobre o impacto ambiental

O governador Ronaldo Caiado (DEM) recebeu, nesta quinta-feira, 28, sul-coreanos da empresa KSB, para avaliar estudos técnicos da instalação de uma usina fotovoltaica no Nordeste de Goiás. Segundo assessoria, a Secretaria de Meio Ambiente está responsável por fazer um levantamento sobre o impacto ambiental.

A usina ficaria no município de São João d’Aliança. Há pouco mais de 30 dias, o governador e representantes da KSB e pelo grupo de investimentos Enspire Group assinaram o protocolo de intenções para instalação, que, segundo os empresários, será uma das maiores do mundo. Nesse novo encontro com os empresários coreanos, Caiado avaliou sob o ponto de vista técnico o projeto, que agora entra na etapa de licenciamento jurídico e estudos ambientais.

O projeto entra agora na fase de apresentação dos documentos solicitados pelo Banco Central e pelo governo Federal. Na sequência, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente irá realizar o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), fundamental para um projeto dessa extensão.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Adriano da Rocha Lima, detalhou as próximas etapas. “Uma delas é todo o processo de licenciamento ambiental que, por mais que tenhamos celeridade e disposição para adiantar, tem um rito mínimo a ser seguido. Precisa passar pela estação chuvosa e de seca, para que tudo seja feito conforme a legislação ambiental. Há também toda uma exigência jurídica para que investimentos de fora entrem no Brasil e para a empresa, que vai fazer todas as instalações da fábrica, se estabeleça no país”, ponderou.

O secretário estima que sejam necessários mais seis meses para finalizar a fase jurídica. “É o prazo para o recurso chegar ao Brasil, a empresa estar aberta e todos os trâmites concluídos. A parte ambiental leva um pouco mais tempo. Acreditamos que até o final deste ano, todo o processo ambiental esteja concluído, para que no início do ano que vem, comece efetivamente a instalação da usina e da fábrica”, estimou.

Caiado também recebeu um estudo técnico que determina o local escolhido para a instalação da usina e da fábrica. “Há todo um trabalho feito de planimetria, mostrando que o relevo é ideal e a luminosidade é perfeita, e a avaliação da proximidade com as redes de alta tensão, com as quais o Estado nutre o país todo”, avaliou o governador. “Além de mostrar toda a beleza da região, isso permitirá aos turistas apreciar o que eles vão mostrar em termos de tecnologia e de melhoria das condições de desenvolvimento da região.”

Complexo Turístico

O projeto prevê ainda a construção de um parque temático. A ideia é construir um complexo turístico de referência nacional, que abrigue atividades de lazer e tenha condições de receber turistas de todo o país. A própria usina já se transformará em uma atração aos visitantes do nordeste goiano. Com investimentos previstos de US$ 2 bilhões (aproximadamente R$ 8 bilhões), a usina deverá produzir 600 MW de energia e ser a maior do gênero no mundo. Inicialmente a instalação da indústria deve gerar mais de 1 mil empregos diretos, levando desenvolvimento e oportunidades ao nordeste goiano.

Adriano da Rocha estima que serão gerados uma quantidade significativa também de empregos indiretos, que devem transformar a região do Nordeste goiano. “Há toda uma cadeia produtiva envolvida, com os mais diversos fornecedores, que vão gerar empregos também. A instalação não é só da usina, mas da fábrica das placas fotovoltaicas, parques temáticos e de outras empresas de tecnologias que vão compor este parque tecnológico”, afirmou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Flavio Berthoud

Gov. Caiado,

Algo ata muito errado em uma usina com 600 MWp, custar Rs 8 bi, pois cada MW instalado sairá por mais de R$ 11 milhões.

O custo médio no Brasil hoje já é de apenas R$ 5 milhões.

Precisa ainda ser dito quantos MWH/ano será produzido de Energia, para ver se o Fator de Capacidade dessa usina Solar atingi pelo menos 20%.

Existe alternativa Eólica que, com essa Potencia instalada, custa a metade e gera o dobro de Energia em um mesmo período de tempo.