Tripulação de petroleiros é resgatada após ataques no golfo de Omã

Estados Unidos atribui ataques ao Irão, que nega. Ministro do país, Javad Zarif, classificou atentados como “suspeitos”

Foto: Reprodução/EPA/Stringer

Tripulações de dois petroleiros, um japonês e outro norueguês, foram resgatados após ataque no golfo de Omã, perto do estreito de Ormuz. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, apontou que seu país concluiu que se trata de um ataque do Irão.

Segundo ele, a conclusão foi possível pelas armas usadas, além do nível de perícia exigido para a execucação da operação. Ele ainda pontua que a ilação foi baseada, também, “em recentes ataques iranianos semelhantes ao transporte marítimo e no fato de que nenhum grupo de operadores na área tem recursos para agir com este alto grau de sofisticação”.

Para ele, se trata do mais último ataque motivado pelo Irão contra os interesses dos EUA e aliados. “O Irão está a atacar porque o regime quer que a nossa bem-sucedida campanha de máxima pressão seja levantada. Nenhuma sanção económica confere à República Islâmica o direito de atacar civis inocentes, perturbar os mercados petrolíferos mundiais e fazer chantagem nuclear”.

Encontro

Nesta quinta, 13, o Conselho de Segurança das Nações Unidas se reúne para tratar o tema. António Guterres, secretário-geral da ONU, disse que acompanha a situação com “profunda preocupação” e condenou o ataque. Ele diz, ainda, que “o mundo não pode permitir-se a um confronto de grande escala no Golfo Pérsico”.

Vale destacar que esses ataques ocorrem um mês após outro que envolveu quatro navios [três deles petroleiros] ao largo dos Emirados Árabes. Na época, os EUA também atribuíram o atentado ao Irão, que negou.

Posições

Sobre a acusação do ataque recente, o ministro do Irão, Javad Zarif, afirmou que “a palavra suspeita não é suficiente para descrever”. Isto, porque o primeiro-ministro japonês está em Teerão para tentativa de mediação entre o Irão e Washington.

Para Ahmed Aboul Gheit, secretário-geral da Liga Árabe, existe “uma evolução perigosa” no Oriente Médio. Conforme ele, “ataques a petroleiros e ataques com mísseis no coração da Arábia Saudita, como vimos há dois dias, são uma evolução perigosa que deve levar o Conselho de Segurança a agir contra os responsáveis para manter a segurança e a estabilidade na região”.

“É inaceitável para qualquer parte atacar a navegação comercial e os ataques de hoje aos navios no Golfo de Omã levantam preocupações muito sérias”, disse o diplomata Jonathan Cohen, que é também embaixador da ONU nos EUA, durante reunião de coperação entre a ONU e a Liga Árabe.

A salvo

Apesar do ocorrido, a tripulação do petroleiro norueguês, o Front Altair, foi resgatada por um navio que passava e entregue a um barco de resgate iraniano. Eles deixaram o navio após uma explosão.

O navio japonês, o Kokuka Courageous, segundo dados informados a Reuters, foi atingido por um torpedo suspeito, mas a tripulação também foi resgatada. Segundo a empresa responsável pela embarcação, a carga [trata-se de um navio tanque de gás] de metal ficou intacta.

Agência internacionais de notícias informaram, também, que a marinha dos EUA, presta assistência aos petroleiros atacados.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.