A Jovem Pan ganhou uma ação contra a organização Sleeping Giants, organização responsável por uma prolongada campanha de desmonetização contra os anunciantes vinculados à emissora. A campanha acontecia devido às acusações prévias contra a Jovem Pan de ‘graves atos ilegais’ e ‘abuso de outorgas do serviço público’ de acordo com o Ministério Público Federal (MPF).

Na última quarta-feira, 10 de janeiro, o juiz Adilson Araki Ribeiro, da 9ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou o fim da campanha Sleeping Giants e o pagamento de uma indenização por danos morais de R$ 20 mil. Nos argumentos, a Jovem Pan afirmou que não conseguia mais negociar com patrocinadores, que têm medo da repercussão negativa que a campanha traz.

A hashtag #DesmonetizaJovemPan chegou a liderar o ranking de assuntos mais comentados nas redes sociais, especialmente no Twitter (agora X), onde a campanha foi iniciada.

O juiz condenou o grupo a cessar a campanha contra a Jovem Pan, excluir os grupos criados no WhatsApp e ainda indenizou a empresa em R$ 20 mil, devido às custas processuais. A multa diária em caso de descumprimento da ordem é de R$1.000. A ação condena também as redes sociais, Instagram, Facebook e X (antigo Twitter) à excluir os conteúdos difamatórios vinculados pelo Sleeping Giants Brasil.

Leia também:

Líder de oposição na Coreia do Sul é esfaqueado no pescoço durante coletiva de imprensa

Com “situação problemática”, Brasil ocupa 92° posição em ranking mundial que avalia liberdade de imprensa

Supremo: Justiça poderá penalizar jornais por “opinião” de seus entrevistados