Sem conseguir eleger deputado, Max Menezes passa a ser único nome de Aparecida na Alego

O agora ex-secretário aparecidense vai focar nas conversas partidárias e no “grande dilema” que é permanecer no MDB, mesmo na Base de Menhanha, ou se procura outra sigla

Suplente do agora ex-deputado estadual Humberto Aidar (MDB) e já com o nome dele entre os 41 deputados no portal da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), o ainda secretário de Desenvolvimento Urbano de Aparecida de Goiânia, Max Menezes (MDB), passa a ser o primeiro deputado estadual pela cidade na atual legislatura da Alego. Em 2018, a chapa do prefeito Gustavo Mendanha (sem partido) não conseguiu eleger nenhum nome para o parlamento estadual. De malas prontas, Max se despediu do Paço Municipal aparecidense nesta segunda-feira, 21. O político deve ser exonerado ainda hoje para assumir a cadeira da chapa MDB /Republicanos.

Com janela partidária e aliado de Mendanha, que é pré-candidato ao Palácio das Esmeraldas, Max pode procurar uma nova sigla até o próximo dia 1º, já que o MDB é presidido por Daniel Vilela, pré-candidato a vice na chapa de Ronaldo Caiado (UB). Foi justamente por este motivo que o em breve ex-secretário deixará a pasta antes do fim do prazo de desincompatibilização. “Está previsto para a próxima semana ou, no máximo para o próximo mês, a minha posse como deputado estadual. Como há essas definições partidárias até o próximo dia 2, ficar no MDB se torna um grande dilema, mas não vi outras chapas serem montadas, por isso conversar com todos os partidos. Tenho sido procurado e estou procurando”, explica ao Jornal Opção

Para assumir a vaga de Aidar na Alego, Max se despede da pasta aparecidense após três anos e três meses na direção da secretaria que é considerada uma das mais importantes do município. No Desenvolvimento Urbano de Aparecida, ele diz ter atuado com enfoque na melhoria do bem-estar da cidade. A saída de Max da pasta foi precedida por um evento que contou com a participação do prefeito Gustavo Mendanha e também do vice-prefeito Vilmar Mariano (Podemos). Ambos comemoraram a inserção do município, que tem 220 mil eleitores, e somente agora terá o primeiro deputado estadual nesta Legislatura da Assembleia.

A chegada de Max na casa legislativa, segundo o prefeito aparecidense, deveria ter acontecido mais cedo, porque a tramitação da indicação de Humberto Aidar estava sendo ventilada na Alego ainda em 2021. No entanto, só se concretizou agora. Max, por outro lado, disse que, embora a previsão fosse a de que a saída de Aidar ocorresse até o final do ano passado, “houve pautas importantes para serem debatidas na Casa” e, por isso “a saída foi confirmada somente agora”. Antes de ser nomeado conselheiro no Tribunal de Contas do Município (TCM), Aidar estava na presidência da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). Ao longo de todo esse processo, no entanto, Max e Humberto sempre dialogaram. O futuro deputado disse, inclusive, que Aidar sempre foi honesto com ele.

Apesar de criticar a demora na condução do suplente à vaga definitiva, Mendanha comemorou a nomeação de Max. O governadoriável e o município, que não contava com nenhum deputado estadual na Assembleia, agora terão em Max Menezes um representante no legislativo goiano. “Em vários momentos a gente contou com deputados estaduais importantes para a nossa história e vamos contar com o Max na Assembleia, um homem simples que aprendeu a arte da política e do diálogo com o seu pai [Ademir Menezes, ex-vice-governador de Goiás]”, disse o prefeito. 

O presidente do Podemos e vice-prefeito de Aparecida também citou que é importante que um município, do porte daquela cidade, com 220 mil eleitores, tenha um deputado estadual legitimamente (eleito como titular do cargo). “Se não fizermos nossos representantes, outros [municípios] vão fazer. E isso fará com que recursos não cheguem ao município”, pondera Vilmar Mariano.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.