Vereadora não compreende quais grandes obras da Prefeitura compensam a destruição que Iris Rezende causa à capital; e a cidade é tão nova para estar anestesiada 

Vereadora Dra. Cristina diz que a cidade é muito jovem para estar desesperançosa com o Executivo municipal | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

A vereadora Dra. Cristina (PSDB) enumerou as principais dificuldades dos Cais em conversa com o Jornal Opção. Alguns tópicos são extremamente críticos, como faltar dipirona nas unidades de saúde municipal, especialmente para uma prefeitura que ostenta o status de estar com as “contas em dia”.

A lista começa com o Cais Finsocial que está sem funcionários e hoje atua com 10% de sua capacidade. A vereadora lembra que esse Cais já foi uma referência em controle e tratamento de dengue. “Atualmente o mato está tão alto que o Cais se tornou o foco de dengue”, lamenta a parlamentar.

O Cais do bairro Jardim América impacta negativamente outras unidades porque as obras estão atrasadas há meses. O Ciams do bairro Novo Horizonte absorveu a demanda do Jardim América e não consegue atender mais, segunda a vereadora.

A unidade do bairro Novo Mundo está numa “situação tenebrosa”, sublinhou a parlamentar. “Tudo que se tem ali não é saúde”. Um questionamento corrente da vereadora é como dois anos e meio de gestão emedebista conseguiu deteriorar a saúde de forma inconsolável.

“A secretária municipal de Saúde vem à Câmara Municipal e afirma que está tudo bem e a população não quer reconhecer a qualidade da saúde. Não consigo entender a visão do prefeito Iris Rezende quanto à isso. São tantos problemas e desajustes que não entendo quais grandes obras possam compensar essa destruição”, lastima.

E para a vereadora, a cidade é muito jovem para ter uma população desesperançosa em relação ao comporto do Executivo municipal. “As pessoas parecem vencidas pelo cansaço.”