Ronnie Lessa afirma ter recebido ajuda de Bolsonaro

Acusado de ser o executor da vereadora Marielle Franco disse em entrevista que Bolsonaro, quando deputado federal, intercedeu em seu favor na Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação

O acusado de ter executado a vereadora Marielle Franco e o seu motorista, Anderson Gomes, o policial reformado Ronnie Lessa, afirmou já ter recebido ajuda do presidente Jair Bolsonaro. O fato foi em 2009, quando o atual Chefe do Poder Executivo ainda era deputado federal.

De acordo com da revista Veja, o suposto atirador que disparou contra o carro de Marielle no Estácio, Região Central, afirmou ter recebido ajuda na época em que perdeu sua perna. Lessa explica que o então deputado federal intercedeu ao seu favor junto a Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR), no Rio. À época, Bolsonaro era patrono da instituição.

O suporte prestado pela associação à Lessa teria lhe garantido uma prótese, mas ele conta que a usou por pouco tempo. O ex-policial militar revela que adquiriu uma perna mecânica melhor usando o valor que recebeu de seguro.

Preso na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, Lessa negou ter proximidade com Bolsonaro, apesar da ajuda.

Segundo o acusado pelo duplo homicídio, foram poucas vezes que viu o presidente, mesmo também morando no Vivendas da Barra, condomínio de alto padrão na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, onde a família Bolsonaro tem casa.

Preso desde março de 2019, Lessa segue se dizendo inocente e vítima de coincidências que o levaram à prisão. Ele atribui ao ex-capitão do Bope e suposto chefe do Escritório do Crime, Adriano da Nóbrega, a responsabilidade pelo assassinato da vereadora carioca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.