“Regra 14×14 não é a solução”, defende Jânio Darrot

O município contabiliza 279 casos, 14 óbitos, 183 curados e 82 de pacientes ativos

O prefeito de Trindade, Jânio Darrot (PSDB), afirmou nesta terça-feira, 30, que uma equipe jurídica e técnica da Prefeitura analisa o Decreto 9.685/20 do governo estadual sobre o funcionamento das atividades neste período de Pandemia pela Covid-19. O decreto estabelece um regime de isolamento intermitente de algumas atividades em Goiás, com 14 dias fechados e 14 funcionando.

Para Darrot, no entanto, o ato do governo não é o melhor caminho. “Essa regra ‘14×14’ não é a solução”, ressalta. Apesar do decreto, amparadas por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), as prefeituras têm liberdade de determinar como proceder em seus municípios. De acordo com o prefeito de Trindade, a tendência é que o município não siga o governo estadual na medida. “Temos um protocolo. Trabalhamos de uma maneira que deveria ser levada em consideração pelo governo do Estado. Ouvir a UFG é muito importante. Os técnicos do UFG têm condições de fazer uma previsão futura, mas temos que pensar também no tratamento”, aponta.

O prefeito de Trindade lembra os “milhares de médicos” que defendem um protocolo de tratamento no Brasil e no mundo que, segundo ele, deveriam estar na pauta do governo estadual. “Assim como em Trindade, temos casos também, como o Pará, que está tendo sucesso, usando esse tratamento, esse protocolo, atendendo aos pacientes na fase inicial”.

“Estamos utilizando a Ivermectina, Hidroxicloroquina, Azitromicina, Dexametasona, Zinco quelado, já nos primeiros dias, nos primeiros sintomas”, informa o prefeito de Trindade, ao revelar que dos 14 óbitos registrados na cidade, vítimas da Covid-19, 12 possuíam comorbidades graves. A partir deste parâmetro de tratamento, informa, o município contabiliza 279 casos, 183 curados, e 82 de pacientes ativos. “Destes, 16 estão internado e em torno de 62 pacientes estão sendo monitorados em casa”, diz. “São pacientes que chegaram nos cinco primeiros dias dos primeiros sintomas nas unidades de saúde. Nós testamos e aqueles que deram positivo, já entraram automaticamente no tratamento”, frisa. “Os médicos telefonam todos os dias, monitorando cada paciente e controlando se eles vão precisar de uma intervenção hospitalar mais à frente ou não”, completa Darrot.

O prefeito argumenta que, mesmo vizinho da Capital, que possui 6.837 casos e 164 óbitos, Trindade tem enfrentado a Pandemia “com uma boa dose de eficácia”. “Não estamos sequer na lista dos 15 municípios goianos com maior números de casos”, defende. “Estamos dentro da curva do Estado. E menor do que a curva das maiores cidades do Estado de Goiás.”

Estrutura – Jânio Darrot informa que Trindade possui na rede municipal 17 respiradores no total. “Temos 16 leitos na UPA com 12 respiradores. Temos um hospital de campanha com 36 leitos, que nós alugamos e montamos esse hospital de campanha, e colocamos 5 respiradores nele. Tem sido suficiente”, frisa. “Eles são para o atendimento emergencial. Atendimento, onde vamos estabilizar o paciente, fazer nossa parte do município, que é a baixa complexidade até o início da média complexidade, e depois, logicamente, encaminhar para o sistema de saúde, que tem, pelo SUS, hospitais que são os grandes hospitais que estão sob a gestão do Estado que têm leitos de UTI para os casos mais graves”, aponta. “Então, nossa orientação é para que procurem nossas unidades de saúde, procurem a UPA no início dos sintomas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.