Rede Globo não vai pagar indenização à médica da capital

Hilcey Costa foi entrevistada para o quadro do médico Drauzio Varella em 2010 e se sentiu lesada com as falas de outros profissionais sobre tratamento fitoterápico

Dráuzio Varella apresenta quadro "É bom pra quê?" | Foto: Reprodução/Vídeo

Dráuzio Varella apresenta quadro “É bom pra quê?” | Foto: Reprodução/Vídeo

O pagamento de indenização por danos morais pedido por uma médica da capital à Rede Globo, à afiliada em Goiás, a TV Anhanguera, e o também médico Drauzio Varella, apresentador do quadro “É bom pra quê?”, no Fantástico, que vai ao ar aos domingos, foi negado pela Justiça goiana.

A autora, Hilcey Carmen Rodrigues Costa, foi entrevistada pelo programa em abril de 2010 e se sentiu lesada com o debate levantado sobre sua linha de estudo, baseada na medicina natural. Segundo a decisão monocrática divulgada pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), o desembargador Jeová Sardinha de Moraes ponderou a “inexistência de ofensa pessoal e, apenas, divulgação de utilidade pública na reportagem”.

Na época, a produção do Fantástico solicitou à Secretaria de Saúde do Estado (SES-GO) entrevista com algum paciente que tivesse feito tratamento de câncer no Hospital de Medicina Alternativa de Goiânia (HMA). Hilcey foi a profissional indicada pela direção para prestar as informações e falou sobre os benefícios do açafrão para ajudar no combate de inflamações, inclusive de células cancerígenas. Logo em seguida, o quadro mostrou outros médicos que questionaram a falta de estudos profundos sobre várias ervas utilizadas em vez de fármacos, o que para ela, desqualificou o tratamento fitoterápico e sua imagem.

O programa mostrou pacientes de diferentes regiões do País que procuravam por remédios naturais para o tratamento de inúmeras doenças e profissionais que defendem a fitoterapia. Em paralelo, foram ouvidos médicos e cientistas que alegam não haver resultados comprovados para muitas das plantas empregadas.

A ação do desembargador ainda destacou que “a atividade jornalística deve ser livre para informar a sociedade acerca de fatos cotidianos, especialmente aqueles relativos ao interesse público, em observância ao princípio do estado democrático de direito, à medida que divulga informações essenciais à participação da coletividade”.

O pedido de indenização já havia sido negado em primeira instância pelo juiz Leonardo Aprigio Chaves, da 16ª Vara Cível e Ambiental da Comarca de Goiânia, quando Hilcey foi condenada a pagar R$ 1,5 mil das custas processuais e honorários advocatícios.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Joana

A justiça nunca é imparcial pois o homem não pode ser neutro ou imparcial e a justiça é feita pelos homens.
Poderia ter sido abordado de outra forma a falta de comprovação científica. Sinto que foi desvalorizada sim a utilização das plantas medicinais. Assim como os fármacos: não evitam a morte e nem a doença que é intrínseco à vida. Os estudos da eficácia das plantas não é financiado por empresas milionárias (laboratórios de fármacos) e por isso não há tantos estudos.