Projeto quer obrigar farmácias a venderem medicamentos de forma fracionada

Medida não se aplicará a remédios de uso controlado

Vereador Carlin Café (PPS) | Foto: Alberto Maia

Um projeto, de autoria do vereador Carlin Café (PPS), quer obrigar drogarias, farmácias e congêneres a disponibilizar medicamentos de forma fracionada. A matéria foi encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e, posteriormente, será votado pelo plenário em primeira discussão.

“O objetivo é estabelecer um parâmetro de efetivo respeito ao direito fundamental à saúde, qual seja, de possibilitar ao consumidor adquirir medicamentos de acordo com a necessidade indicada para o tratamento”, frisa Carlin Café.

Segundo ele, sua proposta visa igualmente evitar que o consumidor deixe de realizar o tratamento por falta de condições financeiras ao comprar medicamentos em quantidade superior ao indicado no tratamento.

De acordo com o vereador, já existe um decreto que faculta o fracionamento de remédios, mas que a medida não é praticada no dia a dia. Para garantir o cumprimento a lei, o projeto estabelece penalidades  como advertência, multa de 500 UFIRs, que poderá dobrar se houver reincidência e, até a cassação ou suspensão do alvará de funcionamento do estabelecimento.

A matéria estabelece ainda que o fracionamento não se aplicará aos medicamentos sujeitos ao controle especial. “O procedimento de fracionamento é privativo de farmácias, drogarias e estabelecimentos congêneres autorizados a comercializar medicamentos”, lembrou.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Eliane

????

Eliane

Se as indústrias começarem a fabricar esses medicamentos para serem fracionados é uma coisa.agora o paciente chega com uma receita que solicita medicamento de referência.geralmente caríssimos. Aí vc vai e viola a embalagem para retirada dos comprimidos.meu isso não tem lógica. Isso corre risco de contaminação.comprometendo a qualidade.a validade do mesmo.é mta burrice.