Professor grava vídeo com críticas a Caiado durante aula e diz que sofreu “censura” pela Seduc

Docente defende conteúdo que busca o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico de estudantes

Foto: Reprodução

Um professor efetivo da rede estadual de ensino que ministra aulas de Sociologia no Colégio Estadual Polivalente Frei João Batista, em Anápolis, afirmou ao Jornal Opção que foi surpreendido por questionamentos da equipe de inspeção da Coordenação de Regional de Educação de Anápolis/ Seduc após a divulgação de gravação de uma aula nas redes sociais.

“No dia 22 de fevereiro gravamos um vídeo em que alunos leem escritos no quadro da sala de aula fazendo indagações e críticas ao governador Ronaldo Caiado. Cita-se alguns problemas da escola e a situação difícil que se encontram os professores estaduais que ainda não receberam o salário de dezembro de 2018”, relatou o professor Sérgio Inácio sobre o teor da aula.

Segundo o docente, a equipe de inspeção questionou o motivo de o vídeo ser veiculado nas redes sociais. Para o educador a atitude da coordenação seria uma tentativa de censura e agressão à liberdade acadêmica.

“Fui questionado se o vídeo possui relação com algum conteúdo. E qual? E se foi feito em horário de aula. Sou professor de Sociologia e estou trabalhando o tema Movimentos Sociais. A situação em que os alunos se encontram na escola é difícil e também a situação dos professores que ainda não receberam o salário de dezembro de 2018. A posição de Inspeção é de cerceamento da liberdade de Cátedra, da liberdade de pensamento e expressão e tentar censurar”, observou o professor que encaminhou uma resposta pública à Seduc.

Trecho da resposta diz que: “O conteúdo trabalhado em sala de aula está em concordância com o art. 35 da lei nº 9.394, de dezembro de 1996 (que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, chamada LDB), que trata das finalidades do Ensino médio. Em seu inciso II, discorre sobre a preparação básica para a cidadania do educando e no III, fala do “aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico”.

Entre as reivindicações mencionadas pelo Sérgio Inácio estão:

a) Não são os estudantes que escolhem seu representante de sala. São os professores que escolhem.

b) No primeiro semestre do ano de 2018 os alunos receberam uma cédula para votar no representante dos estudantes para o Conselho Escolar, eles não sabiam quem eram os candidatos e nem os foram apresentados.

c) Nos últimos três anos os alunos estão tentando criar o Grêmio Estudantil da escola, mas não conseguem.

d) Há muito tempo que a situação dos banheiros masculino e feminino dos discentes estão em condições higiênicas inaceitáveis de uso.

e) Em algumas salas de aulas quando chove ocorrem goteiras.

Por fim, o professor defende que, “o direito de protestar é uma manifestação prevista em lei. Docentes e discentes quando o fazem na sala de aula, nas ruas, nas praças, em frente aos prédios públicos e nas redes sociais, estão exercendo sua cidadania e no momento em que se encontra Goiás, tal postura é legal e legítima”.

Confira o vídeo:

A reportagem entrou em contato com a Seduc, mas não obteve posicionamento sobre o caso até a publicação desta matéria.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Lindalva soares pereira

Merecem milhões de aplausos este vídeo.

Wenderson Bonfim Xavier

Gostei da matéria, o jornal está de parabéns.

Dinair Leandro Ferreira

E o salário dos aposentados, o governo não se preocupa?

walquiria

Querem condenar o professor por falar a verdade e ensinar seus alunos a serem críticos a partir do conhecimento teórico.Se o estado estivesse cumprindo o seu papel não teria o que criticar, fica a dica SEDUC.

Marcos Paulo

Podiam ter começado já ano passado ou antes quando começaram a atrasar os salários; um indicativo que o estado estava ruim das pernas. Sem falar que as escolas sempre estiveram em situações ruins, como está descrito no texto. É claro que protestar é necessário, mas está na cara que o motivo é ideológico. Os caras não gostam do Caiado e pronto.