O governador anunciou a nomeação de Ismael Alexandrino, titular da SES, para a presidência do Ipasgo. Decisão veio após Hélio Lopes pedir exoneração depois de uma conversa com Caiado e pela decisão de cortar 50% da cota dos atendimentos eletivos.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) anunciou na tarde desta segunda-feira, 20, a nomeação de Ismael Alexandrino, titular da secretaria Estadual de Saúde, para a presidência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos de Goiás (Ipasgo). Ismael irá acumular os dois cargos.

A decisão veio após o presidente do Ipasgo, Hélio Lopes, pedir exoneração na segunda-feira, 20, depois de uma conversa com o governador Caiado e após a redução em 50% da cota dos atendimentos eletivos, que não são considerados urgentes.

[relacionadas artigos=”353438″]

Em nota, divulgada em 10 de setembro, o Ipasgo informou que nos últimos meses, “devido à demanda reprimida causada pela pandemia, os prestadores de serviço aumentaram excessivamente os gastos com procedimentos. Em razão disso, o limite orçamentário do plano de assistência foi extrapolado”.

Ismael Alexandrino disse, durante entrevista coletiva, que o acúmulo das duas funções é um desafio há mais. “Foi um desafio que o governador Ronaldo Caiado me pediu uma ajuda tendo em vista que nós temos a visão global da saúde no estado. E na base do diálogo que teremos com os usuários e também com os prestadores de serviço o nosso desafio será achar o ponto de equilíbrio entre ofertar com um serviço de qualidade para os usuários e de sustentabilidade financeira para os prestadores”, pontuou.

O novo presidente do Ipasgo disse que a primeira ação será suspender a portaria reduziu o atendimento em 50% das cotas de procedimentos não urgentes. “Já conversei com o governador no sentido de retroagir em relação ao que havia sido anunciado e manter tanto a parte de exames, consultas e cirurgias para os usuários do Ipasgo”.

Força-tarefa

Caiado anunciou também uma frente de trabalho composta por Henrique Ziller, controlador-geral do Estado, Rodney Miranda, secretário de Segurança Pública e Adriano Rocha Lima, secretário-geral da Governadoria, para a realização de uma auditoria no Instituto, especialmente, no aumento significativo em relação aos exames realizados pela rede conveniada.

“Essa força-tarefa será para que haja toda uma ação que nós acreditamos que atualizando as faturas que foram apresentadas ao Ipasgo e fazendo uma auditoria detalhada nós esperamos ter uma diminuição nos gastos em torno de 15 a 20%”, disse o governador.

Para Ismael Alexandrino, a auditoria deverá ter duas vertentes dentro do aspecto clínico e administrativo. “Como acontece dentro dos demais planos de saúde. Uma vez cumprido o estado paga e segue cada um com o seu propósito. Naturalmente, vamos precisar ouvir os gestores que estão atualmente no Ipasgo e buscar também os prestadores para ouvi-los para saber quais são as principais queixas”.