Presidente da Câmara Municipal de Inhumas preso por tráfico de drogas deixa prisão

De acordo com investigação conduzida pelo delegado Humberto Teófilo, vereador e seu assessor vendiam e usavam ecstasy. Eles foram flagrados em conversas de WhatsApp

O vereador Gleiton Luiz Roque (Tumate – PTB), presidente da Câmara Municipal de Inhumas, preso há pouco mais de uma semana pela prática do crime de tráfico de drogas deixou a prisão nesta quinta-feira (9/11) após liminar do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO).

De acordo com decisão do desembargador Luiz Cláudio Veiga Braga, não há necessidade de manter o vereador preso, já que ele não poderá influenciar nas investigações.

Durante a 3ª fase da Operação Assepsia, a Polícia Civil também cumpriu mandado de busca e apreensão e de prisão contra o assessor de comunicação do Legislativo municipal, Carlos Alberto de Oliveira Filho, pelo mesmo crime.

A investigação, conduzida pelo delegado Humberto Teófilo, apurou que o vereador e seu assessor vendiam e usavam ecstasy. Eles foram flagrados em conversas de WhatsApp.

Na casa do assessor, a polícia encontrou uma arma de fogo com numeração raspada, uma balança de precisão, porções de maconha e diversas embalagens vazias para colocar ecstasy. Carlos foi preso em flagrante por tráfico de drogas e posse de arma de fogo de uso restrito. Segundo a polícia, ele tem diversas passagens pela polícia e já foi condenado a cumprir 5 anos e 4 meses de prisão pelo crime de roubo a estabelecimento comercial.

O inquérito policial também aponta indícios de que outro vereador da cidade apenas fazia uso dos entorpecentes com os investigados, motivo pelo qual não foi requerida sua prisão. A Justiça também proibiu a visita dele a Tumate enquanto este estiver preso e determinou que os presos fiquem em celas separadas.

O presidente da Câmara já estava afastado do mandato desde o último dia 23 de outubro por suspeita de envolvimento em organização criminosa que fraudava licitações no âmbito do Legislativo municipal.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.