Por que Anthony Hopkins não foi receber Oscar de melhor ator?

Praticamente uma zebra, premiação póstuma era garantida a Chadwick Boseman. Hopkins, que está isolado durante pandemia, não fez questão de comparecer para receber estatueta

Anthony Hopkins em Meu Pai | Foto: Reprodução

Pouco após às 23h no Brasil, quando o protagonista de Meu Pai, o sir Anthony Hopkins venceu o prêmio de melhor ator na incomum cerimônia do Oscar de 2021, já era madrugada no País de Gales e o ator de 83 anos dormia. Jeremy Barber, seu agente, o acordou às 4h da manhã para lhe dar a notícia. Ao Los Angeles Times, a assessoria do ator contou que Hopkins preferiu não comparecer pela combinação de idade avançada e os riscos da pandemia. “Como ator mais velho a ganhar o Oscar, não valia o risco de se expor ao coronavírus ao viajar até o Instituto Britânico de Cinema, em Londres, apenas para aceitar a estatueta”, informou os assessores.

O ator está isolado há um ano no País de Gales e até já recebeu as duas doses contra a Covid-19, mas preferiu cumprir a quarentena mesmo assim. O formato da cerimônia, neste ano, não aceitou que ganhadores recebessem o Oscar por vídeoconferência, limitando aos mais velhos sua participação no evento. Na segurança de seu lar, o octogenário gravou nesta segunda-feira, 26, um singelo vídeo caseiro onde contou que ficou surpreso por levar a estatueta e disse prestar tributo a Chadwick Boseman, que era, na realidade, o favorito ao prêmio.

No vídeo divulgado, Hopkins apresenta grande simplicidade. É notório que o papel em Meu Pai se tornou seu trabalho mais estimado de toda uma longa carreira. Muito embora, seu maior sucesso seja Silêncio dos Inocentes, no qual interpretou o serial killer Hannibal Lecter. Pelo filme, recebeu o reconhecimento da Academia em 1992, e foi aplaudido de pé pelos convidados da cerimônia. Desajeitado e sem esboçar nenhum sorriso, Hopkins teceu breve agradecimento. Claramente ansioso, se retirou o mais rápido possível do palco naquela noite de ovação.

Pouco dado às relações pessoais, o ator foi diagnosticado com Síndrome de Asperger apenas aos 75 anos, após ser taxado de louco, burro e preguiçoso na infância, conforme contou em entrevistas à Playboy e ao The New York Times. Alcoólatra até os 45, Hopkins havia abandonado a esposa com seu bebê ainda de colo, dava inúmeros pitis por trás das câmeras e só beijou o pai pela primeira vez depois que este já estava deitado em um caixão.

Em entrevista ao Toronto Internacional Film Festival, foi perguntado como conseguiu interpretar tão bem Anthony, papel que lhe rendeu o Oscar neste último domingo, 25. “É que eu cheguei naquela idade em que já se sente a melancolia”, confessou. No alto de seus 83 anos, Hopkins finalmente parece feliz e está. Depois do diagnóstico de espectro de autismo, de se livrar do vício com álcool, de se confrontar sobre o remorso abandono parental, o ator está bem resolvido. Não compareceu à cerimônia porque ninguém é obrigado a nada que não queira e ele, apesar de grato, simplesmente não quis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.