Polícia Civil prende suspeitos de furto de joias em condomínio de Goiânia

O grupo é suspeito de ter praticado furtos também em residências de Brasília e em cidades do Nordeste. Contagem preliminar aponta para 200 joias subtraídas, entre ouro, diamantes e pérolas

Veículo utilizado pelos suspeitos | Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Goiás com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Bahia e no Rio Grande do Norte, cumpriu três mandados de prisão temporária de três suspeitos de furtos qualificados de objetos como joias, relógios e aparelhos celulares no condomínio Alphaville Araguaia, em Goiânia. Crime aconteceu no dia 21 de fevereiro deste ano.

O grupo é suspeito de ter praticado furtos também em residências de Brasília. Além disso, os suspeitos fugiram, passando por vários Estados, como Bahia, Sergipe, Pernambuco, Alagoas, Ceará e Rio Grande do Norte.

A equipe analisou várias imagens de câmeras de segurança espalhadas por vias municipais, estaduais e federais a fim de encontrar o automóvel. Assim, conseguiram identificar, na última quarta-feira, 10, todos os seus ocupantes. Um deles era uruguaio e os outros dois, gaúchos. Segundo a investigação, a autoria dos furtos seria do imigrante.

O pedido de prisão da Polícia Civil de Goiás foi feito no dia 11 de março, menos de 12h depois, foi possível interceptar os autores no veículo utilizado para os delitos nas proximidades da cidade de Itabuna, Bahia. Com os investigados, foram localizados diversos objetos produto de furtos, como cédulas de dólar e real, joias, relógios, aparelhos celulares, entre outros.

As Polícias Civis do Distrito Federal e do Ceará entraram em contato com a PC-GO e informaram que inúmeras vítimas disseram ter sido alvo dos criminosos, nesses estados, alegando que valiosas joias foram furtadas pelo grupo. Contagem preliminar aponta para 200 joias subtraídas, entre ouro, diamantes e pérolas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.