PMDB afirma que Cunha não pode responder pelo partido

Partido ressaltou que decisão do presidente da Câmara dos Deputados — que declarou ser agora oposição ao governo petista — é pessoal

Vice-presidente Michel Temer e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Em nota do PMDBm legenda | Foto: Twitter/ Michel Temer

Após anúncio de Cunha (à dir.), liderado por Michel Temer (à esq) PMDB divulgou nota em que afirma que “definição partidária só pode ser tomada após consulta às instâncias decisórias do partido: comissão executiva nacional, conselho político e diretório nacional” | Foto: Twitter/ Michel Temer

Após o anúncio do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB) do rompimento com o governo de Dilma Rousseff (PT), o PMDB logo divulgou uma nota afirmando que a decisão do presidente da Câmara dos Deputados é pessoal, e não é a resolução do partido.

O PMDB informou que a posição pessoal do deputado será respeitada, mas que toda definição partidária “só pode ser tomada após consulta às instâncias decisórias do partido: comissão executiva nacional, conselho político e diretório nacional”.

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (17), quando Cunha anunciou o rompimento, o deputado afirmou ainda que irá lutar pelo fim da aliança PMDB e PT. “Saiba que o presidente da Câmara a partir de hoje é oposição”, disse, e completou: “Essa lama, em que está envolvida a corrupção da Petrobras, cujos tesoureiros do PT estão presos, eu não vou aceitar estar junto dela”, disse presidente da Câmara.

Comunicado do peemedebista veio um dia após ter sido acusado por um dos delatores do esquema da Petrobras, Júlio Camargo, de tê-lo pressionado a pagar R$ 10 milhões em propina para efetivar um contrato de navios-sonda da Petrobras. Conforme depoimento, Cunha teria pedido R$ 5 milhões pessoalmente.

Foto: Twitter

Imagem divulgada no Twitter do presidente da Câmara, Eduardo Cunha

Em seguida, presidente da Câmara divulgou nota em que afirmou que as informações concedidas por Júlio são mentiras, e ainda o desafiou a prová-las. O presidente disse achar estranho que tais afirmações do delator tenham saído às vésperas da eleição do Procurador-Geral da República e do pronunciamento do peemedebista em rede nacional. “Estranho que as ameaças ao delator tenham conseguido efeito desejado Procurador Geral da República, ou seja, obrigar o delator a mentir”, disse.

Veja nota do presidente na íntegra:

Nota à imprensa sobre a manifestação do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha

A manifestação de hoje do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é a expressão de uma posição pessoal, que se respeita pela tradição democrática do PMDB. Entretanto, a Presidência do PMDB esclarece que toda e qualquer decisão partidária só pode ser tomada após consulta às instâncias decisórias do partido: comissão executiva nacional, conselho político e diretório nacional.

Assessoria de Imprensa do PMDB

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Marcelo Luiz Correa

A melhor coisa para o PMDB é entregar os cargos e partir já para a cassação de Dilma, afinal é preferível um prejuízo menor hoje, do que um grande prejuízo amanhã. E partido que não serve ao povo, que não sabe a vontade do eleitor, e o eleitor deseja o fim do governo do PT, não é um bom partido e seu fim está perto!