Justiça Federal autorizou a quebra de sigilo bancária por movimentação suspeita nas contas dos acusados

[relacionadas artigos=”198971, 198891″]

A Polícia Federal (PF) tem focado também, em relação à Operação Spoofing, na quebra de sigilo bancário dos envolvidos. O intuito é descobrir se houve mandantes para o crime. Esta ação prendeu quatro suspeitos de atuarem como hackers em Araraquara (SP) e invadirem celulares de autoridades, dentre elas, o ministro Sergio Moro (Justiça), na terça, 23. 

Na última sexta, 19, o juiz da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, autorizou a quebra, por conta de movimentação suspeita nas contas dos acusados.

Coaf

Conforme relatário do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), o suspeito Gustavo Henrique Elias Santos movimentou, de 18 de abril a 29 de junho de 2019, R$ 424 mil. Inclusive, com ele foram apreendidos R$ 100 mil, na terça.

A esposa dele, Suelen Priscila (também detida), realizou movimentações de R$ 203,5 mil entre 7 de março e 29 de maio também deste ano. A reda deles é, respectivamente, R$ 2.866 e R$ 2.192.

Para a Folha, a defesa de Gustavo justificou que os valores foram obtidos por operação com bitcoins.

Outros detidos

Além de Gustavo e Suelen também foram detidos Walter Delgatti Neto e Danilo Cristiano Marques. Além dos quatro mandados de prisão temporária, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto (SP).

Inclusive, Walter, que é conhecido por “Vermelho”, conforme o Estadão, teria dito aos investigadores que deu acesso ao conteúdo hackeado ao jornalista do The Intercept, Glenn Greenwald. Nas redes sociais, o jornalista diz que Moro tenta “cinicamente explorar essas prisões para lançar dúvidas sobre a autenticidade do material jornalístico”.

Ele disse, também, “Moro e Deltan insinuaram desonestamente que o material não é autêntico, embora todos os jornalistas que o examinaram o verificassem. Mas se a PF tiver o acervo, poderá verificá-lo. Também é agora lícito, o que significa que pode ser usado em tribunais”.