Paulo Garcia e o setor produtivo definem estratégia para alteração de alíquotas do IPTU, em Goiânia

Grupo alega que a proposta inicial vai impactar na vida dos cidadãos goianienses. E, se aprovado da forma como foi apresentada, o menor aumento será de 120%, podendo chegar a 1.000%

Representantes da Ordem de Advogados do Brasil (OAB), do Fórum Empresarial e de Habitação, que reúnem ao todo 11 entidades goianas, se reuniram nesta sexta-feira (19/9) com o prefeito Paulo Garcia (PT) e discutiram o projeto de lei que reformula o Código Tributário de Goiânia. O grupo alega que a proposta inicial vai impactar negativamente na vida dos cidadãos goianienses. Após avaliar a posição manifestada sobre a alteração das alíquotas do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU/ITU), o petista afirmou que será preciso uma análise conjunta, por meio de números e projeções, para que seja feita uma proposta consensual, na qual todas as partes sejam consultadas.

A proposta protocolada pela Câmara na última semana prevê que a alíquota IPTU seja feita sobre o valor venal, e não mais pela localidade do imóvel. Segundo o texto do projeto, a cobrança do imposto se dará de forma progressiva.

Em entrevista ao Jornal Opção Online o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Goiás (Sinduscom) e representante do Fórum Empresarial, Carlos Alberto Moura, ressaltou que o prefeito aceitou a contratação de um órgão ou fundação para fazer um estudo territorial aperfeiçoado da capital. “Além disso, Paulo Garcia prometeu estudar a possível chance de aprovar apenas as alíquotas”, disse.

Segundo o secretário municipal de Finanças, Jeovalter Correia, ainda não há conclusão do projeto, mas “existe uma disposição do prefeito e do setor produtivo para chegar a um acordo e, neste fim de semana, haverá o diálogo”.

Uma nova discussão foi marcada para este sábado (20) pela manhã. Caso haja uma decisão entre o prefeito e o setor produtivo, o secretário garantiu que será enviada, no meio da próxima semana, a planta de valores para a Câmara com intuito de ser avaliada em conjunto.

Entre os representantes, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Pedro Alves de Oliveira, mostrou otimismo no rumo das negociações propostas pela prefeitura. “Está avançando a cada momento. E nós defendemos a existência de uma coluna única, e não três ou quatro alíquotas como estamos vendo”, concluiu.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Joana

Pior Prefeito que Goiania já teve. Totalmente incompetente!!!! Não ganha mais nem pra Presidente de bairro…