Órgão criado pelo para gerir crise hídrica contraria Bolsonaro e alerta para situação energética

Após presidente falar em reduzir valor da tarifa de luz, o grupo emergencial afirmou que apesar das chuvas, o cenário ainda requer atenção

Linha de transmissão de energia da Hidrelétrica de Belo Monte | Foto: Beth Santos/ PR)

A Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (Creg) contrariou declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na quinta-feira, 14, quando traçou um cenário otimista para o setor após as recentes chuvas no País.

O grupo emergencial foi criado pelo próprio governo para monitorar a crise hídrica e afirmou, um dia após a declaração de Bolsonaro, que, “apesar do aumento das chuvas, a situação ainda requer atenção”.

O presidente havia dito que iria determinar ao ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, a volta ao normal da atual bandeira tarifária – que tem gerado aumento na conta de luz.

Para o grupo de monitoramento, houve aumento de chuvas, principalmente na região Sul, e há perspectiva positiva no Centro-Oeste e no Sudeste. Mesmo assim, o órgão técnico apontou dificuldades para a solução da crise hídrica.

Um exemplo citado pela Creg, que é liderada pelo Ministério de Minas e Energia, é a atual condição do solo, ainda “bastante seco, e, portanto, maiores dificuldades de transformação das chuvas em vazões, ou seja, em volumes significativos de água que chegam nos reservatórios do país”.

Em meio à declaração de Bolsonaro, o Ministério de Minas e Energia irá se reunir na próxima quinta-feira, 21, com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) para discutirem os cenários para a bandeira tarifária no país. O encontro já estava previsto antes das declarações de Bolsonaro.

A Creg, em reunião nesta sexta, decidiu prorrogar medidas extraordinárias de combate à crise hídrica, como a flexibilização de regras para as usinas hidrelétricas Jupiá e Porto Primavera até fevereiro de 2022.

* Com informações do portal UOL.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.