Operação Catilinárias da PF cumpriu 73 mandados de busca e apreensão no norte do Estado

Durante a investigação a PF identificou que a empresa responsável pelo transporte escolar de nove municípios teria desviado mais de R$ 23 milhões

Operação Catilinárias, deflagrada nesta quarta-feira, 19 | Foto: Reprodução

A Polícia Federal cumpriu 73 mandados de busca e apreensão e cinco medidas de afastamento da função pública e proibição de acesso a órgãos públicos, relativos à Operação Catilinárias, deflagrada na manhã desta quinta-feira, 19, nas cidades de Araguaína, Araguatins, Babaçulândia, Filadélfia, Goiatins, Nova Olinda, Riachinho, São Bento e Xambioá. Operação investiga pagamento de vantagens indevidas a ex-prefeitos e ex-secretários municipais. Segundo a investigação da PF, agentes públicos teriam recebido R$ 5 milhões em suposto esquema que desviou mais de R$ 23 milhões do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE).

As irregularidades foram identificadas pela Controladoria Geral da União (CGU), durante apurações realizadas em 2017 nos municípios de Araguaína e Gurupi, no âmbito do 4o Ciclo do Programa de Fiscalização em Entes Federativos. Os auditores da CGU identificaram indícios de montagem processual, simulação de pesquisas de preços e restrição à competitividade nos processos licitatórios analisados.

No decorrer das investigações, a PF identificou que a empresa responsável pelo transporte escolar dos nove municípios teria desviado, no período de 2013 a 2018, mais de R$ 23 milhões do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE). Os indícios foram reforçados através de provas obtidas por meio de acordo de colaboração premiada firmado entre a empresa e o Ministério Público Federal (MPF).

A Polícia Federal não divulga nome dos envolvidos, mas informa que as investigações vão continuar. Os trabalhos contaram com participação de 260 policiais federais e de 11 auditores da CGU.

Catilinárias

O nome da operação é inspirado na Roma Antiga. “Catilinárias são uma série de quatro discursos célebres de Cícero, o cônsul romano Marco Túlio Cícero, pronunciados em 63 a.C. Os discursos são um ato de denúncia contra a conspiração pretendida pelo senador Lúcio Sérgio Catilina, que logo de início destila: “Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência?”, explica, nota da PF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.