por João Filipe da Mata*

Junho, mês do orgulho, chegou e Sydney está tomada por bandeiras LGBTQIA+. O arco-íris se espalhou por todos os lados: lojas, escritórios e espaços públicos.

Mesmo morando na Austrália, nessa época do ano, eu me lembro dos meus dias de criança, em Brasília, quando minha avó, muito séria, me ensinou: “Homem não acha homem bonito”. “Não? Acha o quê, vó?” “Simpático”, ela complementou, contrariada com minha insistência.

Simpático?

Eu não sabia o que aquela palavra comprida significava, por isso fiquei dias pensando no que havia feito de errado, com medo de nunca mais merecer o seu carinho.

O tempo passou e hoje, ao caminhar por Sydney, eu me sinto abraçado porque me encho de esperança em um futuro mais diverso e inclusivo, livre de violência e de discriminação com a comunidade LGBTQIA+. Assim, hoje, de cabeça erguida, eu posso me olhar no espelho e dizer para aquele menino que eu fui: não há nada de errado com você.

As bandeiras, as festas e as ruas enfeitadas significam que a minha, a sua e a nossa existência importam, de fato. A nossa história importa. O nosso afeto importa. Podemos ser exatamente quem somos.

O arco-íris faz toda a diferença.

* João Filipe da Mata é escritor e vice-cônsul em Sydney, Austrália. Autor de “Filho da Mãe”, publicado pela editora Much, já morou na Eslovênia, na Itália, nos Emirados Árabes, na China e no Sri Lanka.

Leia também:

Mês Orgulho LGBT+: conheça Amanda Souto Baliza, advogada e ativista trans em defesa dos direitos humanos

A política dentro do armário: quantos gays estão hoje em cargos eletivos em Goiás e no Brasil?

Fabrício Rosa: “Comunidade LGBT+ não quer privilégios nem imposição, apenas igualdade”