Nubank ameaça fechar as portas caso medida do Banco Central seja confirmada

Site da revista Exame revela detalhes da alteração no prazo para operadoras quitarem pagamentos que pode prejudicar pelo menos 1 milhão de clientes

Serviço de cartão de crédito

Novas medidas inviabilizariam funcionamento de empresas menores que emitem cartões de crédito, como o Nubank |  Foto: Jornal Opção

O site da revista Exame registra, nesta segunda-feira (19/12), que o Nubank, um dos emissores de cartão de crédito que mais cresce no país, pode acabar. Isso porque o Banco Central deve anunciar, nesta terça (20), uma mudança drástica no prazo para pagamento de lojistas pelas operadoras.

Atualmente, são 30 dias para efetivar a transferência dos valores pagos por clientes via cartão de crédito. Contudo, a gestão do presidente Michel Temer (PMDB) já demonstrou interesse em reduzir para apenas dois dias — como acontece nos Estados Unidos, por exemplo.

À reportagem, a cofundadora da empresa, Cristina Junqueira, garante que tal medida representa o fim do negócio, pois acarretará em custo adicional a todos os emissores de cartão, desde os pequenos (como o Nubank) até aos grandes bancos. Só que, ao contrário do Itaú e do Santander, eles não têm a mesma capacidade de financiamento.

Se o prazo for encurtado para dois dias, o Nubank terá de pagar o adquirente antes mesmo de receber o pagamento da fatura pelo cliente. Para isso, será preciso pegar recursos no mercado, explicou ela.

Exame assinala, ainda, que a Nubank já emitiu mais de 1 milhão de cartões desde 2014 e sua receita vem, justamente, do total de percentual descontado do valor repassado ao lojista, de aproximadamente 5%. Cerca de 1,5% fica para o Nubank e o restante para a empresa que fornece as “maquinhas” (como Cielo) e para a bandeira (Mastercard, Visa e American Express).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.