O prefeito de Goiânia diz que é preciso pensar em manter o atendimento para que não aconteça um colapso como em Manaus

Rogério Cruz, prefeito de Goiânia | Foto: Lívia Barbosa / Jornal Opção

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos) destacou sua preocupação em relação a pandemia do coronavírus na capital. Para ele, não é somente uma questão de abrir ou não mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), é necessário pensar em manter o atendimento e não deixar com que falte oxigênio.

“Há uma preocupação da nossa parte como executivos que não é só a questão de leitos que resolve a situação. A segunda onda está ai, já está em Goiás, temos algumas cidades que já estão com 100% de leitos ocupados. Goiânia graças a Deus está em uma situação estável, mas além disso, uma preocupação que temos é em faltar oxigênio como aconteceu em Manaus”, relata o prefeito.

Segundo ele, a prefeitura pode sim abrir leitos, mas no momento não há essa necessidade. “Não é a abertura de leitos que vai resolver o problema. Hoje, Goiânia está com média de 50 a 55% de leitos de UTI ocupados, na enfermaria temos média de 50%. Mas, a nossa preocupação não é de abrir leitos ou não, a nossa preocupação é chegar em um estágio que venha faltar oxigênio para que essas pessoas possam ter um atendimento médico”, ressalta Rogério Cruz.