Mulher do secretário da Fazenda de Aparecida tinha grandes responsabilidades em laboratório

Sem poder dar muitas explicações, delegado que conduz a operação Falso Positivo, disse que ela tinha várias funções que iam além de administrar o site

Documentação da investigação | Foto: Divulgação PC

Novos desdobramentos da Operação Falso Positivo devem movimentar Aparecida nos próximos dias. Em entrevista para a equipe do Jornal Opção, o delegado que coordena as apurações, Webert Leonardo da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (DERCAP), relatou que esta primeira etapa, deflagrada nesta segunda-feira,9, foi muito positiva. “Agora estamos analisando as provas, vamos ouvir os envolvidos e outras testemunhas. Além disso, todos os sócios e ex-sócios do laboratório Inac Medicina Laboratorial são investigados”, afirmou.

O delegado disse que as investigações começaram há três meses, mas o que mais chamou atenção até agora foi uma nota fiscal no valor de R$ 750 mil, para aquisição de máscaras por parte da organização social (OS) Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH), que foi encontrada no gabinete do secretário da Fazenda de Aparecida de Goiânia, André Rosa. “Ele vai ter que nos explicar o que este documento estava fazendo na sala dele e não na Secretaria Municipal de Saúde, que é o local para onde as demandas administrativas e financeiras relativas a saúde do município devem ir”, relatou.

Questionado sobre a participação da mulher do secretário Andre Rosa, na condução do laboratório, mesmo não estando entre os sócios, o delegado Webert disse que desde as primeiras investigações causou estranheza a confusão de interesses, o uso do Fundo Municipal da Saúde por uma empresa que tem entre os responsáveis, pois ela não mais fazia parte do quadro societário, um parente de um funcionário de alto escalão do município. O delegado também disse que mesmo não estando entre os sócios, a mulher do secretário era responsável por muita coisa dentro do laborário, inclusive o site. “Outro ponto da investigação que os levou a questionar a relação entre laboratório e secretário, foi a proximidade de endereço da atual sede do laboratório para a antiga”, informou.

Como foi explicado na matéria da coletiva de hoje (veja aqui), a mulher do secretário não foi presa, mas está sendo investigada e pode ter a prisão dela e dos demais envolvidos, a qualquer momento, isso vai depender do andamento das investigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.