Morre Orlando Brito, um dos mais premiados fotojornalistas do país

Ele estava internado desde o começo de fevereiro devido à complicações de uma cirurgia no intestino

Morreu aos 72 anos, nesta sexta-feira, 11, um dos fotojornalistas mais aclamados e premiados do país, Orlando Brito. Em todos os seus anos de fotógrafo, Brito direcionou seu olhar único para registrar da ditadura à democracia brasileira. Internado desde o começo de fevereiro, o fotógrafo enfrentava complicações de uma cirurgia que fez no intestino.

Em 1979, Brito se tornou o primeiro brasileiro premiado no “World Press Photo Prize” do Museu Van Gogh, de Amsterdã, na Holanda. Este é o mais prestigiado prêmio de fotojornalismo do mundo. Ele foi premiado na categoria “Sequências”, com seus registros sobre um exercício militar intitulada “Uma missão fatal”.

Com uma extensa biografia profissional, Brito se interessou pela fotografia quando chegou à Brasília, no início de sua construção. Desde então se dedicou integralmente ao ofício. Como fotógrafo, viajou mais de 60 países, trabalhou em várias Copas do Mundo de futebol e Olimpíadas, além de registrar de perto as figuras de poder de Brasília.

Passou por diversas redações jornalísticas, dentre elas O Globo, Veja e Jornal do Brasil. Publicou seis livros, sendo o último Corpo e Alma, de 2006.

Nos últimos anos, ele dirigia sua própria agência de notícias, a ObritoNews e ministrava cursos, workshops para grupos em empresas e aulas em universidades, faculdades e escolas de comunicação e jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.