Miriam Leitão volta a elogiar ajuste fiscal realizado por Marconi

Jornalista destaca em sua coluna diária na CBN medidas de ajuste fiscal adotadas pelo governador goiano

Montagem

Montagem

A jornalista Miriam Leitão destacou nesta quarta-feira (23/11), em sua coluna diária na Rádio CBN Brasil, o trabalho realizado pelo governador Marconi Perillo (PSDB) de se antecipar à crise econômica com medidas de ajuste fiscal, nos primeiros meses deste mandato, em 2015. Para ela, isso coloca o Estado de Goiás, ao lado do Espírito Santo e Pará, em uma atual situação fiscal “melhor do que a maioria”.

Na coluna Dia a Dia da Economia, Miriam, especialista na cobertura de assuntos econômicos do País, afirmou, ao analisar a reunião dos governadores com o presidente Michel Temer, na última terça-feira no Palácio do Planalto, que alguns Estados começaram a corrigir os erros mais cedo e que, por isso, não estão na mesma em situação do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

“Nem todos os Estados estão na mesma situação econômica periclitante do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. Há (governadores de) Estados que entraram fazendo ajuste. O Paulo Hartung (ES) entrou fazendo ajuste em 2015. O governador de Goiás, Marconi Perillo, apoiou fortemente a secretária Ana Carla Abrão para fazer o ajuste duro, que vem sendo feito desde 2015. O governador do Pará também vem fazendo”, elencou.

Esta não é a primeira vez que a jornalista destaca os ajustes realizados por Marconi. Em setembro deste ano, ela disse que governo Marconi Perillo foi um dos três do País a “fazer o dever de casa e a fazer o ajuste fiscal necessário para evitar o colapso do Estado” e que Goiás, ao lado do Espírito Santo e Pernambuco, não entraram em colapso graças a estas medidas.

A jornalista retomou o assunto e acrescentou que estes Estados, que tomaram medidas preventivas, estão em situação diferenciada. “A crise econômica reduziu a arrecadação de todo mundo. Mas alguns começaram a corrigir os erros mais cedo. É preciso saber essa diferença para que tenhamos noção de que eles não são apenas vitimas da crise”, destacou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.