Previsão inicial era até o final de dezembro, mas as primeiras doses só chegarão em janeiro

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta sexta-feira, 2, que o recebimento das 30 milhões de doses da vacine de Oxford foi adiado. A previsão inicial era que as doses chegassem em dezembro, mas agora só chegarão em janeiro de 2021.

“Há uma cláusula no contrato permitindo o adiantamento das fases de entrega ainda neste ano, mas vai depender do desenvolvimento”, explicou Pazuello, em entrevista à CNN.

O adiamento pode ser reflexo do contratempo enfrentado na produção. Os testes precisaram ser interrompidos após reação adversa em um dos voluntário, relação que depois foi descartada.

Além da entrega da vacina, é preciso esperar a certificação da Anvisa. Nesta semana a Agência editou os protocolos para registro, o que pode facilitar a chegada de vacinas.

“Uma vez aprovada a vacina nos registros internacionais, cabe à Anvisa certificar no Brasil. Quanto à velocidade da certificação, aceleração de fases, eu não tenho essa posição hoje, é uma posição específica da Anvisa. Vamos esperar a Anvisa se posicionar. Assim que tivermos a autorização, tivermos a vacina, começamos a vacinar. É importante deixar claro que todas as vacinas que o SUS adquirir serão para todos os brasileiros”, detalhou Pazuello.