Médicos denunciam que foram agredidos por diretores do Hospital São Francisco de Assis

Segundo boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, confusão teria iniciado quando um dos donos do hospital tentou expulsar um médico plantonista do consultório

Quatro médicos registraram ocorrência contra diretores do Hospital São Francisco de Assis. Os profissionais alegam que foram agredidos fisicamente durante uma confusão dentro da unidade hospitalar, ocorrida na última terça-feira, 1º.

As médicas Eliza Frota Gillet Jayme, de 39 anos, Eliana Sarto Frota, de 75 anos, e os médicos Nelson Remy Gillet, de 78 anos, e Fauzer Andrigo Mendonça de 42 anos, registraram ocorrência policial contra o diretor geral do Hospital São Francisco de Assis, Hugo Walter Frota Filho, e seus filhos, Pedro Seronni Frota, diretor clínico, e Hugo Walter Frota Neto, diretor administrativo.

Segundo consta na ocorrência registrada na Polícia Civil, a confusão iniciou durante o plantão médico no Pronto Socorro, quando o diretor geral do Hospital São Francisco de Assis, Hugo Walter Frota Filho, teria entrado no consultório do médico plantonista, Fauzer Mendonça durante atendimento a pacientes. O relato aponta que o diretor desferiu empurrões e até tentou aplicar golpes, com intuito de expulsar o profissional do hospital.

A briga foi acompanhada por pacientes e colegas. Ao ver a confusão, a médica Eliza Jayme relatou que solicitou ao também plantonista, Nelson Gillet que interviesse. Este ao tentar separar a briga acabou se tornando mais uma das vítimas das agressões.

A ocorrência policial ainda registra que Hugo Walter Frota Filho ao ver que toda confusão era gravada pela médica Eliza Jayme, tentou interromper as filmagens, tendo que ser imobilizado por funcionários e pacientes que se encontravam no local. Em seguida, o diretor geral ainda agrediu o médico Nelson Gillet, acertando socos na nuca e braços.

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, ao perceber que todas as agressões continuavam sendo filmadas, o diretor clínico do hospital, Pedro Seronni Frota, agarrou o punho da médica Eliza Jayme, arremessando o aparelho celular várias vezes ao chão para inutilizar a gravação.

O relato ainda aponta que a médica Eliana Sarto Frota, ao tentar defender a colega médica que teve o celular destruído, também foi agredida pelo diretor administrativo, Hugo Walter Frota Neto, causando-lhe trauma nos dedos da mão.

As vítimas disseram que no local onde sofreram as agressões, há câmeras de segurança, mas a administração do hospital se recusou a fornecer as gravações. As vítimas também apontam que os funcionários que presenciaram as agressões foram convocados pelos superiores no dia seguinte aos fatos e orientados a não apresentar qualquer testemunho.

Mensagens em grupo de whatsapp teria motivado agressões

No relato feito a polícia, o médico Fauzer Mendonça aponta que já vinha sendo vítima de coações e ameaças de demissão, sempre acompanhado de cobranças para que fosse mais ágil em seus atendimentos. O médico plantonista questionou em um grupo interno do hospital essa orientação para que seu “atendimento fosse célere, em detrimento da qualidade”. Esses questionamentos teriam irritado o diretor do hospital, que decidiu expulsar o médico do consultório.

Segundo as vítimas, foram protocolizadas denúncias contra Hugo Filho, Hugo Neto e Pedro Frota, no Conselho Regional de Medicina e na Procuradoria do Trabalho. Também foram requeridas medidas protetivas à mulher e aos idosos.

O caso tem tomado uma repercussão expressiva na polícia e no judiciário em razão da médica vítima da agressão ser nora do Vice-Presidente da OAB-GO Thales Jayme.

Posição da direção do Hospital

A assessoria do Hospital São Francisco de Assis encaminhou o posicionamento da direção sobre o ocorrido. De acordo com a nota, se trata de um assunto interno do hospital que foi levado à público de “forma inverídica, com injúrias e difamação” aos diretores.

O departamento jurídico do hospital também apontou que o médico que foi retirado do hospital já havia sido desligado, mas no dia da confusão realizou atendimentos “contrariando normas da diretoria e seu afastamento”.

Veja nota na integra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO – HOSPITAL SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Há 54 anos, o Hospital São Francisco de Assis vem atuando e se destacando como uma instituição de referência em Goiás na assistência médico-hospitalar.

Somos uma empresa familiar, sempre atenta às demandas do mercado e pronta para oferecer o melhor aos pacientes.

O Hospital São Francisco de Assis é um hospital acreditado pela ONA e que sempre prezou por bom atendimento aos pacientes e pelo respeito a nosso corpo clínico, colaboradores, fornecedores e clientes.

Hoje, 4 de fevereiro, infelizmente nos vimos envolvidos em uma narrativa sem fundamento. Um assunto interno do hospital foi levado à público de forma inverídica, com injúrias e difamação a nossos diretores.

Estamos adotando todas as medidas cabíveis para sanar esse problema, acionando a Polícia, o Conselho Regional de Medicina, demais órgãos competentes, além da administração interna.

Há mais de meio século, temos compromisso com a verdade, médicos, colaboradores e pacientes. Essa acusação infundada e leviana não vai manchar o nosso trabalho nem a imagem da nossa instituição ou da diretoria.

Sobre esse entrevero, a Assessoria Jurídica esclarece que, no dia 31 de janeiro, um médico que atendia no hospital, foi desligado do corpo clínica em razão de diversas reclamações junto ao controle de qualidade e a nossa ouvidoria. Mas, no dia 2 de fevereiro, ele compareceu ao plantão, contrariando normas da diretoria e seu afastamento.

Comunicado da presença dele no hospital, o diretor geral, buscando garantir a qualidade dos serviços prestados aos pacientes, determinou a saída do médico da instituição, da qual, reiteramos, ele já tinha sido afastado.

Houve então a intervenção de um sócio, não integrante da administração do hospital, que agrediu nosso diretor geral, alegando que, na condição de sócio, teria legitimidade para permitir a entrada do médico demitido.

Foi necessária a intervenção policial para a retirada do médico invasor e do sócio agressor. Mas, ao contrário do que tenta sugerir o vídeo divulgado pelos denunciantes, não houve agressão por parte da diretoria. As imagens de hematomas, também divulgadas, são incompatíveis com o período da alegada agressão.

Estamos adotando todas as medidas cabíveis para sanar esse problema, acionando a Polícia, o Conselho Regional de Medicina, demais órgãos competentes, além da administração interna.

Atenciosamente,

Diretoria do Hospital São Francisco de Assis

Veja o Boletim de Ocorrência registrado pelos médicos agredidos:

10 respostas para “Médicos denunciam que foram agredidos por diretores do Hospital São Francisco de Assis”

  1. Avatar maurilio riccetto disse:

    todas essas empresas medicas exigem isso do medico, rapidez, e não consulta de qualidade. O CRM é uma farsa so protegem interessas dos amigos

  2. Avatar Jose luiz looesvdos Santos Anjo disse:

    Conheci a familia do Dr Walter Hugo Frota e a dra.Emilia, se nao me engano o nome e o Dr Rafael, nos idos de 1977. A esposa do conceituadissimo nacional e internacionalmente Dr Nelson Picolo. Do hospital dos queimados, era irmã de esposa do Dr Hugão, como o chamavamos em off. Para diterenciar do Dr. Huguinho. A irmã dele, Dra. Eliana é casada com o Dr Gillett. Todos os citados, sem exeção , sempre foram honrados e atenciosos conosco, propagandistas- vendedores , pacientes e funcionários. Fiquei chocado com esta história, envolvendo uma familia proba e trabalhadora. Que as coisas se acalmem e volte à racionalidade.

    • Avatar César Miguel S. Chater disse:

      Os médicos da família Frota são reconhecidos pelo trabalho pioneiro que exercem no Estado de Goiás com brilhantismo e pela alta capacidade profissional de todos eles.
      O que ocorreu foi um desentendimento que deveria ser resolvido internamente, infelizmente tornou-se público, mas isso não irá manchar a reputação ilibada dos Frotas.
      Deus no comando sempre!

  3. Avatar Ricardo Alves disse:

    Ah, isso não é novidade. Não tem muito tempo surraram um outro médico, até parente, dentro do mesmo hospital, algemaram e deram choque. Uma vergonha!

  4. Avatar Helr disse:

    Nasci nesse hospital , o Hugo frota é um grosseirao, covarde

  5. Avatar ANAPOLINO GOULART NEVES disse:

    É muita baixaria isso médico brigando na frente dos pacientes , o ser humano perdeu a vergonha mesmo

  6. Muita baixaria isso, médico brigando na frente de paciente, ser humano perdeu a vergonha mesmo….nota 0 para esses diretores desse hospital

  7. Avatar Maria Sther Aguiar disse:

    Que situação triste! Dr. Nelson, dra. Eliana tão dignos passar por isso, mas Dr Hugo filho sempre foi rude e de pouca conversa, lembro MUITO bem do comportamento desagradavel, para dizer o mínimo, dele após o cateterismo de minha mãe. Apesar de uma equipe fabulosa, não levei mais minha mãe no São Francisco

  8. Avatar Daniela Braga disse:

    SEMPRE FUI MUITO BEM ATENDIDA NESTE HOSPITAL A VIDA DA MINHA MÃE FOI SALVA AÍ. NÃO DEFENDO VIOLÊNCIA E REPÚDIO ESTE TIPO DE COMPORTAMENTO, MAS ESTAMOS NUM CENÁRIO MUITO.DIFICIL HÁ MAIS DE 2 ANOS, NOSSOS GUERREIROS ESTÃO EXAUSTOS E INFELIZMENTE ESTÃO TRABALHANDO C SUPERLOTAÇÃO, CANSADOS…
    DIFÍCIL DEMAIS P ELES. NÃO É FACIL P/ NENHUM DOS LADOS… VAMOS REFLETIR, PENSAR MELHOR ANTES DE JULGAR…

  9. Avatar Helena Maria de Abreu disse:

    Me surpreendi com esse acontecimento. Nunca imaginei uma atitude tão violenta do Dr. Hugo Filho. Conheci a Dra Maria Natalina e o Dr Hugo Frota. Estive no velório do Dr. Hugo. Imagino o quanto eles devem estar tristes com o desentendimento dos filhos. A Dr.Eliana e seu esposo são pessoas muito querida por mim e minha família. Estamos com vcs Dra.Eliana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.