Médicos credenciados rejeitam acordo e pedem que Saúde prorrogue contratos

Em assembleia na noite desta quinta, profissionais que tiveram contratos rescindidos decidiram não acatar proposta que havia sido negociada entre Paço e sindicato

Os médicos credenciados à rede municipal de saúde que tiveram seus contratos rescindidos há uma semana pela Prefeitura de Goiânia recusaram, em assembleia na noite desta quinta-feira (30/3), o acordo que havia sido firmado entre a secretária Fátima Mrué e o Sindicado dos Médicos no Estado de Goiás (Simego).

A categoria afirma que a proposta apresentada não traz, na verdade, nenhuma melhoria  à classe e que, por isso, prevalecerá o não acatamento ao edital de chamamento público aberto pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) nessa semana.

Apesar do Simego chegar a sinalizar “avanços” na discussão com o Paço, o acordo firmado durante reunião na sede do Ministério Público, conforme noticiou o Jornal Opção mais cedo, manteve o polêmico novo acordo contratual, com os supostos benefícios se restringindo apenas a profissionais com vínculo de caráter efetivo. Ou seja, a situação dos médicos credenciados se manteve a mesma após a tentativa de consenso.

Os profissionais, agora, devem procurar a secretária ainda na manhã de sexta-feira (31) e propor que ela prorrogue os contratos vigentes, dando prosseguimento às negociações.

Caso Mrué acate a solicitação, os profissionais devem voltar aos postos de trabalho, sendo o atendimento normalizado. Se a decisão for pelo não prorrogamento, entretanto, os médicos seguem com a posição de não aderir ao edital e devem romper definitivamente o vínculo com a pasta.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.