Maguito Vilela e Euler Morais visitam usina de resíduos sólidos no Rio Grande do Sul

Transformação do lixo em outros materiais que podem ser utilizados na construção civil foi considerada “inovadora” pelo prefeito de Aparecida

Foto: Arquivo/Secom

Foto: Arquivo/Secom

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (PMDB), o secretário de Governo e Integração Institucional da cidade, Euler Morais, e a diretora de Resíduos Sólidos, Márcia Nayane, visitaram nesta quarta-feira (28/1) duas empresas que trabalham com reaproveitamento de lixo.

A visita foi na cidade de Novo Hamburgo no Rio Grande do Sul e teve como objetivo conhecer  a experiência piloto das empresas no reaproveitamento do lixo, transformando-os em energia e outros subprodutos que podem ser utilizados em diversas áreas, como a construção civil.

Ao conhecer o processo de transformação do lixo doméstico em madeira sintética, o prefeito de Aparecida afirmou que “essa é uma tecnologia inovadora e importante para amenizar o impacto dos resíduos sólidos domésticos e assim não precisar criar mais um Aterro Sanitário”.

A empresa de tratamento de Resíduos Sólidos Reusi ficou responsável por encaminhar a proposta detalhada para implantar o processo de tratamento e reutilização do lixo do município. Segundo Euler, a proposta será feita utilizando a planta do Aterro Sanitário Municipal, valor do investimento e as condicionantes para o funcionamento, como autorização da Secretaria de Meio Ambiente.

“A prefeitura também irá pedir para que diversos órgãos reguladores façam parte do processo de implantação do tratamento do lixo pela empresa, por meio da assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta. Isso se deve ao fato de que não haverá licitação, visto que quem arcará com todos os custos é a empresa e não a prefeitura”, sublinhou o secretário.

Segundo ele, o modelo irá eliminar o passivo ambiental formado pelos resíduos sólidos, que é um problema para os municípios. “Essa tecnologia já está sendo adotada em outros países. E se tudo correr dentro da normalidade, daqui a no máximo 8 meses o método já estará em operação em Aparecida”, esclareceu Euler.

Na próxima sexta-feira (29), a diretora de Resíduos Sólidos dará continuidade ao tema em São Paulo, onde participa de uma reunião com a CPD – Companhia Paulista de Desenvolvimento – “entidade que está elaborando o estudo da PPP de Resíduos Sólidos para Aparecida”, esclareceu ela.

Lá, serão discutidos a metodologia, os termos de referência, as fases de apresentação dos resultados do estudo e de desdobramento que culminarão na licitação da PPP.

*Com informações da Secretaria de Comunicação de Aparecida de Goiânia

Deixe um comentário