Mãe é proibida de entrar com carrinho de bebê em banco goiano. Veja vídeo

Denúncia foi feita pela vereadora Sabrina Garcêz em suas redes sociais. Parlamentar prepara projeto de lei para coibir prática em agências

Reprodução

*Matéria atualizada às 16h40

Um vídeo publicado nas redes sociais da vereadora de Goiânia Sabrina Garcêz (PMB) nesta terça-feira (22/8) traz o relato de uma mãe que teria sido proibida de entrar com um carrinho de bebê em uma agência do Banco do Brasil, na cidade de Anápolis.

Segundo a mulher, que não foi identificada, a agência não teria mostrado qualquer argumentação para proibir sua entrada, apenas informou que ela não estaria autorizada a entrar no estabelecimento.

“Todos os boletos que tenho que pagar aqui não posso pagar ou meu filho tem que ficar do lado de fora. É um absurdo”, lamenta a mãe no vídeo.

Para tentar coibir a prática, a vereadora Sabrina Garcêz informou, na mesma publicação, que irá apresentar um projeto de lei na Câmara de Goiânia a fim de coibir a prática nas agências no âmbito da capital.

Segundo a parlamentar, o banco possui sim mecanismos para permitir a entrada de mães ou pais com carrinhos de bebê e ao mesmo tempo fornecer um ambiente seguro, a exemplo do que já é aplicado aos cadeirantes.

“A proposta é bem simples e está baseada na legislação da acessibilidade e eu quero estendê-las às mães. Os bancos vão ter que, como já cumprem a lei de acessibilidade, ter a porta ao lado — grande suficiente para passar um carrinho de bebê — e ter o detector de metal de mão”, explicou.

Em resposta ao Jornal Opção, a assessoria de comunicação do Banco do Brasil encaminhou nota em que defende o uso da “Porta Giratória Detectora de Metais” e que pondera que as regras para triagem e acesso às agências do Banco do Brasil “são definidas, única e exclusivamente, em função da proteção que o Banco deve oferecer aos seus usuários e funcionários”. Confira abaixo o comunicado na íntegra:

 A Porta Giratória Detectora de Metais (PGDM) é um dos equipamentos de segurança exigidos pela Polícia Federal e visa preservar a segurança do ambiente e das pessoas ao restringir o acesso de armas de fogo ou objetos que venham a viabilizar investidas criminosas. As agências do Banco do Brasil são dotadas de PGDM, dispositivo com sensores que bloqueiam a porta automaticamente quando constatado volume de metal superior ao mínimo permitido – não há iniciativa do vigilante para travamento proposital da porta.

Em casos excepcionais, os objetos metálicos que ultrapassem a capacidade de volume das caixas coletoras de metais podem ser entregues a funcionário, pela porta alternativa, para serem submetidos à vistoria por meio de detector manual de metais. As regras para triagem e acesso às agências do Banco do Brasil são definidas, única e exclusivamente, em função da proteção que o Banco deve oferecer aos seus usuários e funcionários”.

3 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

rachan

A solução é simples, basta vender a parte estatal em bolsa de valores.

Lorraine

E aí ??? Podem proibir ??? Hoje o mesmo aconteceu comigo .. quero saber como proceder !!!!

Norton

Como podem liberar um cadeirante, via de regra adulto, para entrar pela porta lateral e negar acesso a uma mãe, com carrinho e bebê de colo???? Suspeita por suspeita, é muito mais fácil uma atitude violenta e ilícita por parte de um cadeirante (masculino e adulto) que de uma mãe…prova cabal de que os bancos/instituições financeiras mandam nesse país.

joao

pelo simples fato do cadeirante nescessitar da cadeira para se locomover, a mãe do bebe tem alguma deficiência que a impede de segura o beber enquanto aguarda atendimento preferencial sentada em uma cadeira??? o problema e que tem muita gente que se acha cheia de direitos e nenhum dever, gente mimada, que quando não pode ter oque quer faz birra, grita, tira a roupa, faz escândalo.

Luana Silva

Justamente, infelizmente vivemos em um pais com graves problemas de segurança publica, os casos de assaltos utilizando cadeira de rodas em agencias bancarias são muitos, Ampliar o acesso para carrinhos de bebes pode piorar ainda mais ,Imagino que um carrinho de bebe seja ainda mais interessante para o criminoso adentrar com armas, diversos carrinhos são cobertos por panos ou telados, e o segurança da agencia bancaria não pode fazer revista nos mesmos. Acho pouco transtorno ter que se preparar com um sling (prende o bebe no colo da mãe), para garantir mais segurança para os funcionários e clientes do banco… Leia mais