Operação Sépsis, desdobramento da Lava Jato, investiga repasse de propina ao presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

A Operação Sépsis da Polícia Federal, deflagrada nesta sexta-feira (1º/7) cumpriu mandado de busca e apreensão em São Paulo, na residência de Joesley Batista, sócio do grupo que controla a JBS, dona da Friboi. A investigação apura pagamento de propina ao presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por empresas que receberam recursos do fundo FI-FGTS.

Também foram alvos de mandados de busca e apreensão imóveis do empresário Henrique Constantino, um dos donos da GOL, na Eldorado, empresa da holding J&F, controladora da JBS, que fica no mesmo prédio da sede da Friboi em São Paulo, e na casa do lobista Milton Lyra.

[relacionadas artigos=”69675″]

Ao todo foram cumpridos um mandado de prisão preventiva, do lobista Lucio Bolonha Funaro, apontado pelo MPF como operador de Cunha, e 19 mandados de busca: 12 em São Paulo, dois no Rio de Janeiro, três em Pernambuco e dois no Distrito Federal. As atividades dessa fase foram autorizadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte.

A nova fase da Lava Jato tem origem a partir dos depoimentos de delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto, e do ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas, Nelson Mello.

Nem Joesley Batista nem Henrique Constantino comentaram ainda a operação desta sexta-feira (1º/7). Mais cedo, a JBS havia divulgado nota aos acionistas afirmando que nem a empresa e nem seus executivos eram alvos da fase da Lava Jato.

Mais tarde, a J&F Participações, holding que também é proprietária do frigorífico JBS, também divulgou nota em função da operação em outra empresa do grupo, a Eldorado. A J&F diz que não sabe as razões da ação policial de hoje. “A companhia desconhece as razões e o objetivo desta ação e prestou todas as informações solicitadas. A Eldorado sempre atuou de forma transparente e todas as suas atividades são realizadas dentro da legalidade”, diz a nota da empresa. (Com informações Agência Brasil e Jornal Estado de S. Paulo)