Justiça nega pedido de habeas corpus de José Dirceu

Advogado protocolou o pedido por acreditar que Dirceu deve ser preso nos próximos dias, após Milton Pascowitch ter citado o nome de seu cliente em delação premiada

Foto: Gustavo Miranda

Desembargador entendeu que o receio de Dirceu não comporta decisão preventiva do Judiciário | Foto: Gustavo Miranda

A Justiça Federal negou, nesta sexta-feira (3), pedido de habeas corpus contra eventual prisão do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu na Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Na decisão, o desembargador Nivaldo Brunoni entendeu que o receio de ser preso não comporta decisão preventiva do Judiciário.

Na quinta-feira (2), ao protocolar o pedido no Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, o advogado de Dirceu, Roberto Podval, argumentou que, devido à dinâmica das investigações, “tudo leva a crer” que Dirceu está prestes a ser preso.

Ao rejeitar o pedido, o desembargador disse que o fato de o ex-ministro ter sido citado pelo empresário Milton Pascowitch, em depoimento de delação premiada, não significa que ele será preso.

“No âmbito da Operação Lava Jato há investigados presos preventivamente e outros foram soltos mediante a fixação de condições pela autoridade ora apontada como coatora. Além destes, muitos foram conduzidos para prestar depoimento, mas sequer chegaram a ser presos”, disse Brunoni.

O ex-ministro cumpre prisão em regime aberto por ter sido condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.