Justiça condena pai, madrasta e outros dois réus do caso Bernardo Boldrini

Conselho de Sentença do Tribunal do Juri atuou por 50h em cinco dias

Os quatro réus do caso do menino Bernardo Boldrini, morto em abril de 2014, foram condenados, nesta sexta-feira, 15, pelo Conselho de Sentença do Tribunal do Júri. Foram 50h de julgamento popular, em cinco dias, que resultaram na condenação do pai menino de 11 anos, Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, e, ainda, Edelvânia Wirganovicz e seu irmão, Evandro Wiganovicz.

A juíza Sucilene Engler Werle proferiu às sentenças, por volta de 19h, no Foro de Três Passos, Rio Grande do Sul. Graciele foi condenada em 34 anos e sete meses de reclusão em regime inicialmente fechado, por homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver; Leandro Boldrini, 33 anos e oito meses por homicídio doloso quadruplamente qualificado,
ocultação de cadáver e falsidade ideológica; Edelvânia, 23 anos por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver; e Evandro nove anos e seis meses por homicídio simples e ocultação de cadáver.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Andre

A justiça tinha que proteger a criança ainda com vida
Conselho tulelar so funciona para familia que trata bem
Seus filhos
30 anos de cadeia num vai trazer a vida devolta
Foi inigligencia deis do comeso
Deis do primeiro relato desta criança