Um juiz foi assassinado a tiros na noite da quinta-feira, 19, após ser surpreendido por criminosos, enquanto dirigia o próprio carro no município de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. A execução ocorreu a 500 metros do prédio onde Paulo Torres Pereira da Silva, de 69 anos, morava. 

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionada para socorrer o juiz, mas Paulo não resistiu aos ferimentos e morreu antes mesmo de ser atendido. O carro da vítima, que bateu em um muro após os disparos, foi apreendido pela Polícia Civil (PC) e encaminhado para a perícia. 

Segundo o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Paulo Silva atuava na 21ª Vara Cível do Recife e já trabalhou como desembargador substituto. Ele tinha mais de 30 anos de magistratura, tendo já colaborado com a Justiça Eleitoral no julgamento de processos contra propaganda irregular.

Manifestações

O Supremo Tribunal Federal (STF), o TJPE, a Associação dos Magistrados de Pernambuco (Amepe), a seccional pernambucana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE) se manifestaram sobre o crime.

STF:

  • Luís Roberto Barroso, presidente do STF, prestou solidariedade à família e aos amigos da vítima;
  • Ele conversou com o presidente do TJPE e disse que está em contato com as autoridades para apuração rápida do caso;
  • O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) acompanhará os desdobramentos para garantir que a justiça seja feita.

TJPE:

  • Manifestou profundo pesar pelo assassinato do juiz e desejou que “Deus conforte os corações de familiares, parentes e amigos” da vítima;
  • Informou que “o magistrado era muito querido por todos que fazem o Judiciário pernambucano”;
  • Entrou em contato com as autoridades policiais de Pernambuco;
  • “Prestará todo o apoio necessário para o rápido esclarecimento do crime e a responsabilização dos culpados”.

Amepe:

  • Presta solidariedade a todos os familiares e amigos de Paulo Torres Pereira da Silva;
  • “Manifesta repúdio e indignação à violência que culminou na morte do magistrado”;
  • “Está acompanhando o caso junto às autoridades competentes”;
  • “Espera uma investigação célere sobre as circunstâncias que ocasionaram a morte do magistrado, com a punição dos responsáveis com o rigor da lei”.

OAB:

  • Expressa “seu mais profundo pesar” pela morte de Paulo Torres Pereira da Silva;
  • Nos mais de 30 anos dedicados à magistratura, ele “atuou com honradez e comprometimento com a justiça”;
  • Vai “acompanhar e exigir das autoridades competentes, como deve ocorrer em todos os casos, investigação rápida e eficaz que leve à responsabilização dos culpados por esse crime brutal”;
  • Prestou solidariedade à família, aos amigos e a todos os integrantes do Judiciário pernambucano “neste momento de dor”;
  • Vai permanecer resiliente na busca por justiça e paz;
  • Adiou o ato de desagravo que estava previsto para acontecer as 11h desta sexta-feira (20), em frente ao Fórum Trabalhista de Olinda.

TRE:

  • “Recebeu com profunda consternação” a notícia do assassinato do juiz, que já atuou na função eleitoral;
  • Deseja aos familiares, amigos e colegas de trabalho do magistrado “nossos sentimentos e o desejo de que as autoridades policiais atuem com rigor na apuração do caso”.